A Canção de Aquiles, de Madeline Miller

Estava numa vibe de ler textos e obras que envolvessem a Mitologia Grega devido ao Estudo Perene. Enquanto lia Odisseia, me deparei com a personagem Circe, que transformava homens em porcos, e pouco tempo depois descobri que existia um livro contemporâneo sobre ela. Claro, corri para lê-lo e foi um dos melhores livros que já li na vida, a autora mesclava vários deuses de forma tão sutil que só me animou ainda mais para ler obras que envolvessem a Mitologia.

Na sequência, peguei o A história secreta, da Donna Tartt, e me desanimei um pouco, aquele Iluminismo tóxico da academia que menospreza e massacra me deixou meio down para o tema.

Até que tive a oportunidade de ler outro livro da mesma autora de Circe, A Canção de Aquiles. Seria a minha rendição para retomar o tema com os olhos apaixonados?! Bem que eu queria que tivesse sido.

Neste livro, Madeline Miller se propõe a nos contar uma outra versão da Ilíada, dessa vez sob a perspectiva de Pátroclo, que em sua narrativa é amante de Aquiles. Sabemos que na história original eles são amigos diletos, ou seja, melhores amigos, quase irmãos, mas tudo bem, estava aberta à proposta da autora.

Acompanhamos, então, a infância, adolescência, guerra e morte de Pátroclo (isso não é um spoiler, Ilíada é um dos primeiros livros escritos da História do Ocidente, então convenhamos, não é mesmo?!), como um romance LGBT+, a autora traz as primeiras descobertas amorosas e sexuais do jovem, porém a caracterização do protagonista me deixou com um pé atrás, pois Pátroclo é um guerreiro atuante na Guerra de Troia, mas Madeline o tornou tão sensível e sentimental que ele mal consegue usar uma lança.

Esse detalhe começou a me incomodar ao longo da leitura, Tétis e Briseida são outras personagens que se descaracterizaram bastante sob seu olhar, talvez tenha sido a forma que a autora encontrou de fazer o romance principal da história fluir.

Confesso que tantas mudanças na essência dos personagens me desagradaram, além de que a inserção dos personagens, que foram tão maravilhosas em Circe, soaram um pouco truncadas e lentas, em vários momentos parei para ver quantas páginas faltavam para acabar os capítulos (sinal claro de enfado durante a leitura).

Para quem não se incomoda tanto com a descaracterização de personagens clássicos, esse livro pode ser uma boa leitura de entretenimento e até mesmo para conhecer alguns deuses da Mitologia Grega, mas se você precisar escolher, sugiro que opte por Circe.

Publicidade

Contos, de Charles Dickens

Edição do Clube de Literatura Clássica

O livro Contos, de Charles Dickens, veio como segundo livro em um dos kits do Clube de Literatura Clássica e possui três contos, sendo o primeiro bem característico dos textos do autor, que revela as mazelas da sociedade inglesa de maneira leve, os outros dois são contos góticos, o que foi uma enorme surpresa pra mim, pois eu não sabia que o autor também escrevia nesse estilo literário.

Casa de pensão‘ é o primeiro conto aqui reunido e conta a história de uma pensão cheia de causos do cotidiano, uma família de não parentes reunida pelo mesmo teto. Pessoas comuns que se conhecem, trocam experiência e até mesmo se casam depois de um tempo de convivência, claro, há também descobertas cabeludas… A escrita de Dickens é sempre um deleite em humor e observações perspicazes. Na condução da narrativa, o narrador em terceira pessoa quebra a quarta parede e se aproxima ainda mais do leitor da movimentada pensão.

O véu negro‘ é um conto gótico escrito por Charles Dickens, o que me surpreendeu bastante, pois eu só conhecia suas histórias mais leves e cotidianas. Essa história começa numa noite chuvosa, uma senhora adentra o consultório do cirurgião em plena agonia e pede que o médico vá a sua residência no dia seguinte, mas poderia ser tarde demais. Sem entender os motivos que a aflita senhora não o permitia ir no mesmo dia e informava que talvez fosse um inútil ir no dia seguinte, aquilo atormentou o médico durante a noite. No dia seguinte, o bairro lúgubre a ser visitado só causou ainda mais ansiedade no Dr. Ele queria ver o estado de seu paciente o quanto antes. A casa era escura, sombria e regado pelos prantos da sua visitante da noite anterior. A consulta ao “enfermo” trouxe uma grande revelação. A tensão do médico é palpável ao longo da narrativa, deixa o leitor ansioso para descobrir o que está acontecendo. Dickens é um maestro, conduz o leitor conforme sua intenção.

Para ler ao crepúsculo‘ é outro conto gótico de Dickens! Dessa vez, história de fantasma. A narrativa começa com um grupo de homens que discutem sobre coincidências, milagres, fantasmas e coisas do acaso. Até que um deles resolve contar uma história para cair em júri e ser decidido se aquilo seria ou não uma aparição fantasmagórica. A história me lembrou tantas outras obras, como ‘O morro dos ventos uivantes’ e ‘A outra volta do parafuso’, mas nada demais, apenas traços marcantes das histórias góticas, como sonhos assombrados, por exemplo.

Esse foi um livro de leitura rápida, fiquei com muita vontade de ler mais contos do autor, descobrir suas mais variadas facetas. A cada nova leitura de Dickens tenho a impressão de que ele se tornará um dos meus autores preferidos da vida!

A volta ao mundo em 80 dias | Julio Verne

Amazon | GoodReads | Skoob

A figura do balão é um ícone nas capas da história de Julio Verne, né?! E se eu te contar que não tem balão nessa aventura?! Pois é! Não tem.

Julio Verne é conhecido por sua Literatura de Antecipação, os primeiros passos do sci-fi, mas aqui encontramos outros aspectos. A volta ao mundo em 80 dias possui uma linguagem acessível e valoriza a divulgação científica ao longo da narrativa, essa característica é bem comum a outro gênero que surgia na mesma época, o romance policial, que também prima pelo compartilhamento do conhecimento técnico.

Lançado em 1873, A volta ao mundo em 80 dias traz a história do gentleman Phileas Fogg, que é adepto a rotina e a calmaria, faz todos os dias as mesmas coisas e não é dado a excessos. Ele surpreende a todos ao apostar que daria a volta ao mundo em 80 dias, pois não bastasse tamanha ousadia, soaria absurdo vir de Fogg.

Acompanhado de seu empregado, Passepartout (este nome em francês significa chave mestra e muito significa para a construção do personagem, pois ele salva Mrs. Aouda da fogueira, trabalha no circo para sobreviver e ainda arrisca a própria vida para salvar o grupo, ele passa por várias situações inusitadas), eles juntam uma singela trouxa de roupas e uma bolsa recheada de bank notes (papel moeda).

O inspetor Fix acha a atitude de Fogg muito suspeita, principalmente depois de receber a notícia de que o banco inglês havia sido roubado! Ele segue o suspeito por toda a viagem na tentativa de prendê-lo, mas Fix é fiel a lei e aguarda pacientemente (ou nem tão paciente assim) a chegada do mandato de prisão.

Daí a trama de aventura se forma, uma verdadeira corrida contra o tempo (se você já terminou essa leitura, verá que nenhuma outra frase faz mais sentido para descrever essa história, se você ainda não leu ou está lendo, entenderá do que estou falando nas últimas páginas).

A leitura desse Clássico da Literatura Francesa me surpreendeu bastante, pois é uma aventura divertida com uma linguagem leve e conteúdo riquíssimo de conhecimento científico e cultural.

Recomendo a leitura desse livro para todas as idades, sobretudo os jovens leitores, que podem ter uma experiência única diante da possibilidade de aprender muitas coisas ao longo de uma aventura tão divertida.

Como viver com 24 horas por dia | Arnold Bennett | Auster

Estou em uma fase de autodesenvolvimento, tenho pesquisado e lido bastante sobre a relação do homem com o tempo e o trabalho. Em meio a essas minhas andanças livrescas, me deparei com o “Como viver com 24 horas por dia”, achei o título muito pretensioso, mas arrisquei.

Preciso ressaltar que Bennett traz em seu texto a visão de um inglês em meados dos anos 1900, ou seja, não considera nada de atividades domésticas + trabalho + estudo, algo completamente fora da minha realidade. Mesmo diante disso, ainda consegui extrair um valioso ensinamento daqui.

Geralmente vemos as horas que passamos trabalhando como a principal atividade do dia e tudo o que acontece antes ou depois são apêndices do trabalho (você acorda, toma banho, lancha para ir ao trabalho, toma banho, come, descansa, estuda para o trabalho). Arnold propõe que passemos a enxergar as horas fora do trabalho como as principais horas do dia, a labuta foi algo que você precisou ir lá executar para conseguir dinheiro ao final do mês.

Em seguida, o autor traz sugestões de como utilizar melhor esse tempo livre e um conceito que é uma das bases para o livro Minimalismo Digital: gastar o seu tempo com lazeres de qualidade, algo que engrandeça a você mesmo. Aqui pode parecer que ele está falando de ser produtivo até nas horas vagas, mas não é bem assim. Fazendo um paralelo com a sociedade atual, o autor propõe atividades que movimentem o corpo e envolvam aprendizado/ desenvolvimento e não ficar a mercê da passividade (oi, feed das redes sociais).

Basicamente, dedique as 3 horas noturnas ao que alimenta a sua alma, se não gosta de ler, enriqueça-se da maneira que lhe aprouver: jardinagem, marcenaria, pintura, artesanato, instrumento musical, etc. Pense na qualidade dessas atividades e compare com rolar o feed do Instagram.

Bennet traz ainda um esquema para auxiliar na organização dos dias, propõe que o cronograma semanal seja feito com base em 6 dias semanais e que o 7° seja usado para o descanso e o ócio. Ainda é comum nos sentirmos culpados ao descansar, mas esse relaxamento faz parte de ajudar o nosso corpo a processar melhor tudo o que queremos absorver e executar. O descanso faz parte da vida, como dormir ou comer.

No geral, esse livro não foi arrebatador, algo que mudasse completamente a minha forma de ver o mundo, mas esses pontos que aqui listei me fizeram passar algumas semanas refletindo.

Ilíada, de Homero

Ilíada

Ilíada conta os 51 dias da ira de Aquiles, que ocorreu durante o 9° ano desta guerra, onde embora os personagens fossem inventados, a história era tida como um relato de seus ancestrais, que ocorreu entre os Aqueus (aliança dos estados gregos) e os Troianos ¹.

A Guerra começou com o rapto de Helena, mas a história da Ilíada traz em paralelo a vingança pessoal de Aquiles, que é o modelo de honra e valor para os gregos ¹. 

A raiva é um tema bem presente nessa obra, seja por parte de Menelau e Agamenon por causa do rapto de Helena ou por Aquiles, que se sente injustiçado ao perder Briseida (mulher que ele tinha ganhando como prêmio de guerra e muito a estimava). Essa ira de Aquiles faz com que ele não se curve diante das regalias prometidas, voltando à guerra somente após a morte do amigo, com o intuito de vingá-la, mostra-se aqui a moral do herói, tanto difundida na educação básica da Grécia Antiga ¹. 

Enquanto Aquiles demonstra seu senso de justiça ao vingar a morte de Pátroclo, Heitor é a personificação da lealdade para com a sua pátria e sua família, pois defende o irmão mesmo ele tendo raptado Helena. Ou seja, enquanto um busca a Honra, o outro a Lealdade. Mesmo com traços tão distintos e tão heróicos, ambos possuem suas qualidades e defeitos, não sobrepondo-se um ao outro durante toda a narrativa, pois ambos morrem (Aquiles mata Heitor para vingar Pátroclo e Aquiles é morto com uma flechada em seu calcanhar) e fica a deixa para a honra em lutar na guerra ¹. 

Mesmo diante da barbárie da morte de Heitor, após algum tempo, uma trégua se estabelece quando Príamo pede a Aquiles o corpo do filho para que ele pudesse fazer a cerimônia funerária adequada, o herói, comovido, entrega o corpo ao rei de Tróia . 

Na Ilíada, a questão do herói é ressaltada, como a principal virtude de Aquiles que abre mão de sua ira particular para vingar a morte do amigo. O final da Ilíada não é o final da guerra, mas demonstra a vitória do herói sobre ele mesmo ao devolver o corpo de Heitor à família².

Essa foi uma das leituras mais difíceis que já fiz, principalmente por causa da edição em que comecei a leitura. Para quem não sabe, ao ler uma epopeia, você pode escolher entre uma que prime pelo ritmo ou pelo sentido mais próximo possível, se você pegar uma tradução que prioriza o ritmo, a leitura se torna mais demorada porque parece que não está fazendo muito sentido, rs.

Em vários momentos as atitudes de Aquiles são de um garoto birrento e mimado, o que me distanciou bastante do protagonista de Ilíada, mas de forma geral, foi bacana acompanhar a construção de arquétipos para personagens que são usados até hoje.

Você já se aventurou nessa história?

Referências

1- CANTON, J. O livro da Literatura. São Paulo: Globo, 2016.

2 – CARPEAUX, O.M. História da Literatura ocidental. Rio de Janeiro: Leya, 2019.

Bartleby, o escriturário | Herman Melville | L&PM

Bartleby, o escriturário: uma história de Wall Street foi a primeira publicação de Melville após Moby Dick e saiu no periódico Putnam’s em 1853.

Esta obra é narrada por um advogado que trabalha com escrituração e possui três funcionários de personalidades bem distintas. Diante do aumento das demandas, ele resolve contratar um novo escrevente, então Bartleby é contratado. A figura do jovem logo chama a atenção de seu patrão “[…] Ainda hoje sou capaz de visualizá-lo – palidamente limpo, tristemente respeitável , incuravelmente pobre!”p. 27

Logo nos primeiros dias de trabalho, Bartleby se mostra diligente em suas atividades, copia os documentos com todo esmero possível, é o primeiro a chegar e o último a sair, não sai da mesa nem para comer. Tudo caminhava bem, até que ao ser solicitado pelo Advogado para realizar uma tarefa, responde com “Prefiro não fazer”.

A partir dessa recusa, o advogado começa a olhar Bartleby de maneira mais atenta, a apatia em relação à vida é o que sobressai. Até mesmo o uso do “Prefiro não fazer” demonstra a falta de imposição, de querência, ele não chega a não querer, apenas prefere.

A presença de Bartleby começa a incomodar a todos, aquele ser inerte que prefere não realizar atividades e que se alimenta apenas de bolinhos de gengibre parece apenas esperar pela passagem do tempo. O advogado tenta demitir o escriturário, mandá-lo embora, mas ele permanece ali.

A falta de informações sobre o passado, os anseios e os pensamentos do jovem incomoda a todos e levanta várias incógnitas ao leitor. O mais interessante é que esse ser apático desperta no advogado certa preocupação, a história, sem reviravoltas ou explicações, beira ao absurdo, a rotina do escritório é abalada de maneira sutil e inesperada.

Logo no início da leitura lembrei de Dickens, pela narrativa fluida e bem humorada, em seguida a história caminhou para características kafkianas e, ao final, posso resumir Bartleby na frase de Albert Camus: “O absurdo não liberta; amarra“.

O que é Agricultura Sustentável | Eduardo Ehlers | Editora Brasiliense

Este livro faz parte da coleção Primeiros Passos, que se caracteriza principalmente por trazer de maneira sucinta definições sobre um determinado tema. Eduardo Ehlers conseguiu em 92 páginas sintetizar a história da agricultura e as principais características da Agricultura Sustentável.

O tipo de sistema produtivo sustentável está pautado em manutenção dos recursos naturais a longo prazo, otimização da produção e satisfação das necessidades humanas . Ou seja, trocando em miúdos, a produção deve suprir as necessidades sociais e alimentares do homem, proporcionar crescimento econômico e conservar os recursos naturais.

O que mais vemos hoje é o completo oposto disso, monoculturas que devastam a terra e os ecossistemas, produção massiva valorizando apenas o aspecto econômico e pessoas passando fome no país que mais produz alimento.

A fome nos nossos tempos está muito mais associada às desigualdades sociais e à falta de dinheiro para se comprar alimento do que à capacidade de produzi-los. Na Idade Média, o problema era justamente a falta de alimentos para se adquirir.”

Historicamente, o homem cuidava da terra para extrair seu alimento e gerar produtos com valor agregado para comercializar, com o tempo esse pequeno agricultor foi expulso de suas terras e obrigado a ir para as grandes cidades torar-se mão de obra massiva. A produção de alimentos ficou a encargo dos grandes produtores, que fornece alimentos não a quem mais precisa, mas para quem paga mais.

Essa ambição monetária fez com que cada vez mais os grandes produtores aderissem a alternativas químicas para garantir safras com maior valor econômico, daí a gana pelo uso de agrotóxicos. O solo cada vez mais adoecido, produz cada vez menos e é bombardeado cada vez mais de soluções ‘milagrosas’.

Pode até parecer estranho, mas na época do movimentos de contracultura, os ativistas que lutavam por uma terra mais saudável e natural eram tidos como rebeldes da agricultura e essa visão ainda persiste até hoje. Pouco se pensa em agrotóxicos na frente de uma maçã grande e brilhosa ou na cenoura perfeita do mercantil.

É claro que as vezes esses alimentos cheios de venenos são a única opção nas grandes cidades, mas esses consumidores podem começar a procurar mercados e feirinhas próximo a sua residência tanto para comer melhor quanto para incentivar a agricultura familiar. Faz bem pra saúde e para o meio ambiente.

O autor traz alguns eventos em que foram discutidos esse assunto, bem como o título de alguns livros e sites para quem quer se aprofundar mais sobre o assunto.

Inegavelmente a Agricultura Sustentável é uma necessidade urgente para o planeta!

A história secreta | Donna Tartt | Companhia das Letras

A História Secreta

A história começa a partir de um assassinato e a partir daí o narrador faz uma digressão para contar o que culminou naquele fato.

Richard é um jovens californiano de classe média baixa que resolve ingressar na faculdade, como a família não tem dinheiro, ele se esforça para conseguir uma bolsa para estudar nessa considerada faculdade.

Ao chegar lá, ele escolhe estudar Grego, por é o idioma que ele já vinha estudando, mas o professor dessa turma é um excêntrico que escolhe a dedo seus alunos. Como era de se esperar, Richard não é aceito de primeira, até que ele ajuda o grupo de 5 estudantes a resolver um problema de tradução.

Por mérito, ele acaba integrando esse seleto grupo, agora composto por 6, que se destacam no campus pela estética clássica e soberba. Ao ingressar nessa turma, Richard passa a mentir sobre a sua vida, pois ele era o único que não tinha dinheiro e isso o envergonhava.

No geral, A história secreta é composta por um núcleo de personagens adolescentes boêmios e inconsequentes. A autora ainda tentou dar certa profundidade aos personagens com as aulas de Julian, mas foi algo tão superficial que chegou a ser quase desnecessário.

O livro é longo demais para o que se propõe, tornando-se cansativo e sem grandes pretensões. Iniciamos sabendo quem morreu e mais ou menos o que aconteceu, então apenas acompanhamos esse desenrolar. Várias vezes a autora tenta fazer cenas de mistério, mas nada mais é do que um personagem contanto o que estava acontecendo fora da vista do narrador, mas que ele notou um ou outro vestígio nas cenas anteriores.

GoodReads | Amazon

A preguiça | Pe. Francisco Faus | Quadrante

Amazon | Goodreads | Skoob

Conheci esse livro ao pesquisar sobre produtividade e fiquei surpresa com o conteúdo aqui disposto, isso porque a obra possui menos de 50 páginas e conseguiu tocar no cerne da questão preguiça. Devo ressaltar que o conteúdo desse livro é de cunho religioso, o que não é grande surpresa tendo em vista que o autor é um padre.

A preguiça é um dos pecados mais corriqueiros e que muitas vezes nem nos damos conta de quão impregnado ele está em nossas vidas. Interessante que o Padre Faus descreveu a maioria das pessoas logo no comecinho, quando ele demonstra que muitas vezes um “não posso, estou ocupada” é reflexo de pura preguiça, ele, então, nos convida a refletir o que há por trás do nosso não posso.

Seria muito bom que cada um de nós revisasse, sinceramente, o que há por trás dos nossos não posso. Não demoraríamos a descobrir, com evidência, que se trata de uma falta de interesse ou de uma falta de amor.”

Para exemplificar alguns casos de preguiça mascarada de ocupação: uma pessoa chega do trabalho cansada e diz que não pode ajudar o filho nas tarefas de casa porque está exausta, mas se aparecer a oportunidade de ir para um show nesse mesmo dia, muito provavelmente ela irá; ou quando a pessoa se enche de atividades e diz que não teve tempo para fazer tal coisa que era uma obrigação, essa agenda lotada pode ser reflexo da preguiça de fazer o que foi adiado.

O cansaço é uma coisa muito especializada. Sempre que se pensa nele, é muito conveniente perguntar: ‘Cansaço, para que coisas?’”

Depois de revelar tais máscaras da preguiça, Faus nos apresenta a virtude que se opõe à preguiça, que a Diligência. “Diligência é uma palavra que vem diretamente do verbo latino diligere, que significa amar.

Quando se faz as coisas com amor, a preguiça não encosta. Mesmo nas tarefas mais banais do cotidiano devem ser feitas com amor e devoção, tal característica nos torna uma pessoa laboriosa que “Faz o que deve e está no que faz, não por rotina, nem para ocupar as horas, mas como fruto de uma reflexão atenta e ponderada”, ou seja, é necessário estar presente e amar aquilo que se faz para trabalhar de forma primorosa.

É importante frisar que o termo laborioso aqui empregado não é para aquela pessoa que trabalha 24h por dia e 7 dias por semana, mas aquela que trabalha de maneira dedicada. A nossa sociedade atual está marcada pelo excesso de produtividade, você tem que produzir o máximo que conseguir, mas é pobre em seu interior, logo a diligência meditativa do trabalho feito com amor é uma entrega que enche de significado até as pequenas coisas da vida.

Faus conclui que “guiado pela fé e o amor, o coração cristão aprende a descobrir, em cada pequeno dever, em cada um dos esforços necessários para a execução das tarefas cotidianas, uma oportunidade – cada dia renovada – de se dar mais, de servir melhor, de alcançar um novo grau de perfeição, de expressar uma generosidade mais alegre”.

Essa obra me tocou em particular, pois sempre me vi como uma pessoa ocupada e cansada para fazer tais e tais coisas. Gostei muito dos ensinamentos aqui dispostos.

Francisco Faus

O padre Francisco Faus é Bacharel em Direito e Doutor em Direito Canônico e Sacerdote da prelazia do Opus Dei, mora em São Paulo desde 1961 onde atua na formação cristã e atendimento espiritual.

Aprendendo inteligência | Pierluigi Piazzi | Aleph

Amazon | Goodreads | Skoob

“Aprendendo inteligência” é o primeiro volume da coleção Neuroaprendizagem, do Pierluigi Piazzi (Prof. Pier). Publicada pela editora Aleph, essa série de livros tem como proposta ensinar as pessoas a estudar.

Parece algo óbvio, pois quem é que não sabe estudar? Todos nós terminamos o Ensino Médio e cá estamos falando sobre livros, não é mesmo?! Bom, lamento informar que não é  bem assim.

Como o próprio autor faz questão de mencionar em seu prefácio, nessa obra ele não trouxe nada de espetacular, muito menos uma mega descoberta no campo da Neuroaprendizagem, apenas elencou pontos essenciais para o aprendizado e os principais erros dos alunos ao estudar.

Por exemplo, é muito comum que os alunos estudem nas vésperas das provas como se a sua vida dependesse daquilo, mas alguns dias depois da prova esquecem completamente o que estudaram porque eles apenas decoraram uma porção de definições sem realmente estudar de verdade.

Então, como estudar de verdade? O Prof. Pier ressalta o ciclo circadiano como elemento orientador da prática de estudar, pois é muito importante que se estude o conteúdo recém entendido no mesmo dia, já que após uma noite de sono é muito mais difícil reter tal conhecimento, “Lembre-se: durante a aula, você entende; quando está sozinho com suas tarefas é que você aprende; após o estudo solitário, ao dormir é que você fixa” p.94.

Dicas
Ciclo Circadiano

O autor faz uma analogia à memória do computador, em que os assuntos vistos em sala estão dispostos na memória RAM e para salvá-los no HD é necessário fixar o conteúdo estudando em casa, logo “Aula dada, aula estudada…hoje!” p.44.

Pier é contra o excesso de tecnologia. A televisão ao longo dos anos foi substituindo as relações sociais e as formas de diversão que eram mais relacionadas com o desenvolvimento do intelecto, como a leitura, e por causa disso “[…] já foram criadas, pela TV pelo menos três gerações com grandes porcentagens de analfabetos funcionais” p.82. De certo modo, até mesmo quando você assiste a um documentário, está apenas vendo um monte de informações de forma passiva, sem tomar notas e sem buscar compreender além do que é posto. É válido ressaltar que mesmo com esse posicionamento do autor averso às tecnologias, é apenas ao excesso delas, pois a internet pode sim ajudar nos estudos.

A obra se encerra com a dica mais valiosa: “Ler muito”, pois é por meio da leitura que o estudante desenvolverá suas técnicas de estudo e poderá compreender o mundo, mas para isso é necessário gostar de ler e todos gostam de ler, talvez a pessoa pode não ter encontrado ainda o seu gênero preferido, mas a leitura em si é uma forma maravilhosa de diversão.

O livro termina com uma série de atividades para estimular a lógica e a inteligência cognitiva do leitor.

“Aprendendo inteligência” tem como público alvo estudantes de Ensino Médio, então o conteúdo pode soar um pouco fora de contexto se você não tem mais obrigações acadêmicas, mas é possível, ainda, colocá-las em prática se você estuda de maneira independente em casa. A maneira de escrever do autor me incomodou um pouco, pois ele me pareceu desnecessariamente grosseiro, o que não desmerece o conteúdo da obra, é claro.

o legado de Pierluigi Piazzi - Boaglio.com

Pierluigi Piazzi é italiano naturalizado brasileiro, professor de física e cofundador da Editora Aleph, ficou conhecido por suas obras na área de desenvolvimento da inteligência em fase escolar.