Um filme por dia | Semana 4

Tive a ousada ideia de ver um filme por dia, mas preciso estudar… Então, vou comentar os filmes a cada três assistidos. 🙂 Todos os comentários foram postados ao longo da semana no meu perfil do Filmow.

01.03.2020 | A família Addams (4.0/5.0)

A Família Addams - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Gostei muito dessa animação, mesmo que o roteiro seja bem clichê e tão batido nas animações. Revisitar a família Addams é sempre um prazer, principalmente que esse filme trouxe várias coisas da série clássica (aquela em preto e branco) e tantas outras dos filmes e desenho animado. ❤

 

 

 

 

02.03.2020 | You – 1° Temporada (3.0/5.0)

Você (1ª Temporada) - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Coloquei na cabeça que assistiria a essa série para tentar entender o que as mulheres viram no Joe para enaltecer tanto uma pessoa com problemas psicológicos que só faz mal aos outros. Já cansei de ouvir “Mas você tem que entender que eu sei que é errado, mas ele está disposto a fazer tudo por amor…”. Ainda quero elaborar um texto melhor sobre essa série.

 

 

 

03.03.2020 – 07.03.2020| Westworld – S02 (3.0/5.0)

Westworld (2ª Temporada) - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Ao longo da semana assisti à segunda temporada de Westworld, um ou dois episódios por dia. Confesso que essa segunda temporada foi arrastada e cansativa, o vai e vem dos personagens me deixou sem paciência, pra mima história só melhorou nos 3 ou 4 últimos episódios, que foi quando a enrolação terminou e vi o negócio começar a andar. Ao final das contas, fiquei na expectativa de ver a 3° temporada, pois androides fora de Westworld.

Um filme por dia | Semana 3

Tive a ousada ideia de ver um filme por dia , será que conseguirei manter a periodicidade?! Veremos! Todos os comentários foram postados ao longo da semana no meu perfil do Filmow.

23.02.2020 | S01 E06 Ragnarok (Netflix)

Ragnarok (1ª Temporada) - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Uma releitura da mitologia nórdica. Como em qualquer história dessa temática, o Loki é o melhor de todos os personagens!

Uma família retorna a sua cidade natal para reconstruir a vida, mas alguns algumas coisas estranhas começam a acontecer dando início a jornada do herói. A série em si é bem sombria, o único alívio que há é em razão da sagacidade de Loki e seu jeito mais destoante entre os ‘certinhos’ e os ‘malvados’.

A série aproveita para criticar os impactos ambientais que grandes empresas causam e como elas conseguem se safar de fiscalizações por conta de suas influências.

É uma produção norueguesa, talvez daí parta certa estranheza que senti por estar acostumada a séries americanas e tal. Se tiver continuação vou querer acompanhar para ver onde vai dar, já que o final deixou um confronto em aberto.

 

24.02.2020 | Jojo Rabbit (5.0 /5.0)

Jojo Rabbit - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Que filme sensível! O garotinho de 10 anos e seu amigo imaginário Hitler têm um objetivo e um plano a seguir, mas nem tudo sai como o esperado, pois a mãe de Jojo esconde uma jovem judia na parede de um dos quartos da casa.

A composição desse filme é de uma delicadeza linda de se admirar e de se deixar levar. Até mesmo o tom de comédia é de uma sensibilidade digna do pequeno Jojo e seu desbravamento a respeito da vida. Os ídolos caem, mas as amizades são elos fortes.

 

25.02.2020 | Maya Angelou e ainda resisto (5.0/5.0)

Maya Angelou and Still I Rise - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Desde que li Eu sei porque o pássaro canta na gaiola que tenho vontade de assistir a esse documentário, mas sempre protelei porque não tinha o tempo e dedicação que eu supunha precisar para estar atenta aos detalhes. Até que no feriado de carnaval esse momento apareceu de maneira oportuna.

Se gostei MUITO da autobiografia da infância da Maya Angelou, o documentário me fez entregar meu corpo e minha alma para essa mulher e artista incrível! Seu desprendimento social e sua produção cultural é simplesmente encantadora. Confesso que me senti inspirada, terminei de assistir com um poema em mente e corri para escrever.

Maya Angelou é fascinante.

The Mandalorian S01 E07 e E08 (Disney)

O Mandaloriano: Star Wars (1ª Temporada) - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Estava acompanhando Mandalorian semanalmente e religiosamente até que perdi o foco nos últimos dois episódios, sou dessas que esquecem os propósitos no meio da caminhada, me julguem.

Finalmente concluí a série e confesso que estou gostando mais desse  personagem do que de qualquer outro da franquia Star Wars (depois do Chewbacca e Han Solo, claro). Toda a determinação e performance do protagonista me cativou e mesmo o baby Yoda sendo pura fofura, não prejudicou a construção e simpatia em relação ao Mandaloriano.

Estou ansiosa pelo lançamento da segunda temporada, que está prevista para o final do ano de 2020. 🙂

26.02.2020 | Bohemian Rhapsody (5.0 / 5.0)

Bohemian Rhapsody - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1 Gosto muito da banca Queen e ver esse filme foi um êxtase. Claro que ele tem alguns detalhes que diferem da biografia do vocalista da banda, mas licença criativa, sem problema algum.

A atuação de Remi Malek é incrível, em alguns ângulos ele realmente parecia MUITO o Freddie, mesmo que com traços mais jovens.

O drama em relação a AIDS pode não ter sido demonstrada em todo o seu terror que realmente foi nos anos 90, talvez até mesmo pela própria personalidade de Freddie, que não queria ninguém chorando ou o bajulando por ser portador do vírus HIV.

 

Bacurau (4.0/5.0)

Bacurau - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Esse filme me fez refletir sobre vários aspectos da sociedade, resumindo alguns deles, posso destacar: a nossa identificação nacional, pois ao final das contas ninguém aqui é branco, somo latinos com colorismos e ponto (brancos são os europeus); a realidade de Bacurau é MUITO mais comum do que imaginamos, principalmente no quesito de abandono por parte dos políticos; somos o quintal mal cuidado dos países desenvolvidos (onde vez ou outra eles aparecem por aqui para se distrair)…

Bom, o filme traz muitas alegorias que estão em camadas abaixo da narrativa. A produção do filme em si deixa um pouco a desejar, pois em muitos momentos não entendemos o que as pessoas falam e há algumas pontas soltas, mas nada que prejudique o entendimento e o desfecho.

27.02.2020 | Entre facas e segredos (5.0 / 5.0)

Entre Facas e Segredos - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Que filme bem estruturado! Ele prende a atenção do espectador com o mistérios e diverte demais. Acompanhamos a investigação do detetive Benoit Blanc, imaginamos que todos podem ser culpados e ao mesmo tempo nenhum. As máscaras da rica família caem e conhecemos suas verdadeiras faces.

As reviravoltas são maravilhosas, levam o leitor a um mar revolto cheio de teorias.

 

 

28.02.2020 | Pokémon: Mewtwo Contra-ataca – Evolução (3.5 / 5.0)

Pokémon: Mewtwo Contra-Ataca - Evolução - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Remake do clássico “filme do mewtwo”. Quem teve a experiência de assistir ao original durante a infância guarda uma memória afetiva MUITO forte com a produção, então essa nova produção pode soar um pouco destoante, principalmente no quesito dublagem.

Inegável que a textura dos pokémon e os efeitos dos ataque enchem os olhos, bem como as cenas clássicas do Pikachu fugindo das pokébolas e o Ash virando pedra (não venha me dizer que não caiu um cisco no seus olhos nesse momento).

Acabou sendo mais um filme para pegar as novas gerações do que para agradar as que já são fã desde o primeiro arco (e quem não estudava pela manhã e corria pra TV quando chegava do colégio?  ou estudava a tarde e só saía pra escola depois do episódio do dia?), mesmo não deixando esse segundo público na mão.

 

29.02.2020 | Lady Bird (3.0 / 5.0)

Lady Bird: A Hora de Voar - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Sério mesmo, fui de coração aberto para esse filme, mas achei tão ok que não sei nem como explicar. Acho que as músicas “Pais e Filhos”, do Legião Urbana,  e a “Como os nossos pais”, da Elis, resumem bem a mensagem.

Temos aqui a história do amadurecimento de Lady Bird e sua transição da adolescência para a fase adulta. Romances, escolhas, amizades e obrigações, tudo o que ela mais quer é se afastar ao máximo de todas as imposições familiares e viver livremente, como sua própria alcunha sugere.

 

 

O que você assistiu nessa semana?!

 

Um filme por dia | Semana 2

Tive a ousada ideia de ver um filme por dia , será que conseguirei manter a periodicidade?! Veremos! Todos os comentários foram postados ao longo da semana no meu perfil do Filmow.

16.02.2020 | Coringa (5.0 / 5.0)

Coringa - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1FINALMENTE consegui assistir!! Temos aqui a construção do vilão mais conhecido (e amado?) do mundo.  Amo o universo da DC pelas críticas às mazelas sociais e pela construção de seus personagens e assistir ao Coringa foi uma catarse para mim! Nada de filmes porradeiros, mas com camadas.

O Oscar de melhor ator não a toa. Joaquim se entrega à personalidade destoante do Coringa e atua com a alma, sendo seu corpo apenas um assessório.

As danças são um êxtase silencioso que me deixou com um simpático sorriso ao canto da boca por finalmente ver a libertação de tanta angústia que Arthur sentia.

 

17.02.2020 | Indústria Americana (2.5 / 5.0)

Indústria Americana - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Fiquei meio embasbacada em saber que esse documentário ganhou um Oscar. Sério mesmo.

Indústria Americana dá um tom de “olha como o capitalismo é bonzinho, vocês têm sindicato” ao passo que só mostra diferentes níveis de exploração. Aqui uma fábrica americana é reaberta por chineses para fazer o que os Estados Unidos e qualquer outro país desenvolvido fez por vários anos nos países em desenvolvimento e emergentes: abrir uma fábrica para explorar mão de obra de todas as formas possíveis. A grande diferença aqui é o choque cultural entre Asiáticos (super focados desde a infância e isso é possível perceber até mesmo na apresentação infantil de dança, que comumente é uma verdadeira bagunça por aqui) e Americanos (que por ter seus direitos garantidos, não se dobram à exaustiva rotina chinesa).

Mesmo com toda essa crítica, que me interessa bastante, achei a construção do documentário um pouco dispersa, parecia não ter um fio condutor. Acabei ficando com sono do meio para o final.

 

18.02.2020 | Aladdin (4.0 / 5.0)

Aladdin - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Que live action linda! As cenas de perseguição me lembraram MUITO o jogo da Nintendo e a descontração do Gênio, o desenho animado. As cores chamativas são um espetáculo a mais, bem como os animais e elementos mágicos.

Para quem acompanhou o desenho nos 90 vai se deliciar com essa adaptação, pois mesmo estando há muito tempo sem contato com a história, é possível lembrar de plots da narrativa, musicas, nomes e características.

Algo muito importante é que Jasmine luta pelo seu direito a sucessão do Sutão sem a necessidade de um homem para casar e exercer seu papel para com o povo.

19.02.2020 | S01E01 Messiah 

Messiah (1ª Temporada) - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Hoje roubei um pouquinho, mas convenhamos que em algum momento eu teria que abrir mão dessa horinha para dar andamento às séries, não?! rs

Comecei o Messiah, da Netflix, apenas o primeiro episódio, que traz a história de um homem enigmático que aparentemente é xiita (pelo seu sotaque foi possível identificar, porém não fica claro de onde mais exatamente ele é) e guia cerca de 2 mil sunitas para os caminhos de Deus.

Interessante que mesmo sem falar explicitamente, o Messias (tradução minha) é a caracterização de Jesus, mas por não ter uma referência cristã, seus seguidores o associam a sua religião em si. A aparência física e o fato de ele dizer que originalmente era judeu me fizeram o associar ao Cristo que nós conhecemos por aqui.

Em outra linha, acompanhamos a agente da CIA Eva, que ficou intrigada com a figura e pediu permissão para ficar de olho no tal Messias.

Até o momento tá bem ok, estou intrigada se haverá esse choque cultural entre cristianismo e islamismo ou algo parecido.

20.02.2020 | S01E02 e E03 Messiah

Messiah (1ª Temporada) - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Então chegamos a algumas delimitações, de fato é um messias judaico-cristão. Milagres aparecem com mais frequência e Eva está piorando da doença (nossa, o que será que acontecerá?? (ironia)), talvez um pouco previsível, mas vamos ver no que dá.

 

 

 

 

21.02.2020 | S01 E04, E05 e E06 Messiah

Messiah (1ª Temporada) - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Hmmm, finalmente descobrimos o que são os injetáveis que Eva usa. Não esperava por isso, rs. Acabou que a série está me surpreendendo e ela brinca com o espectador sobre o Messias, se de fato tem poderes ou é apenas ilusão para quem quer acreditar em algo.

Questões políticas são melhor discutidas, como o impacto dessa figura no oriente médio e a posição dos Estados Unidos sobre imigração.

 

 

22.02.2020 | S01 E07, E08, E09 e E10 Messiah

Messiah (1ª Temporada) - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Caramba!! Definitivamente essa série brinca com o espectador . O lance principal é gerar dúvida mesmo. Gostei bastante das discussões levantadas.

Pode até haver uma continuação, mas se não tiver, achei que o final ficou bom com o mistério pairando no ar.

 

 

 

 

O serviço de entregas da Kiki (5.0/5.0)

O Serviço de Entregas da Kiki - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Que animação mais linda! Kiki é uma jovem bruxa que acaba de completar 13 anos e precisa encontrar uma cidade nova para morar e desenvolver os seus serviços. Como ela gosta de voar, por acaso descobre o seu dom, que é fazer entregas. Durante o seu trabalho, faz amizades e conhece diferentes pessoas.

Ao longo da narrativa a jovem vê que também existem pessoas más no mundo e isso a deixa super mal por um tempo, até que o seu amigo Tombo precisa muito da sua ajuda.

Jiji é a coisa mais fofa do mundo com seus comentários perspicazes. ❤

Um filme por dia | Semana 1

Tive a ousada ideia de ver um filme por dia , será que conseguirei manter a periodicidade?! Veremos! Todos os comentários foram postados ao longo da semana no meu perfil do Filmow.

11.02.2020 | The Silence (2.5 / 5.0)

The Silence - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1

Assisti essa película que estava na Netflix achando que era “Um lugar silencioso”, engano meu. Em “The Silence”, uma espécie de animal que vivia nas profundezas de uma caverna é libertada após uma escavação, por ter ficado muito tempo no escuro essas criaturas não enxergam, mas são extremamente sensíveis ao som, o que gera um pânico e um cenário apocalíptico. Acompanhamos, então, uma família que tenta sobreviver, principalmente por conhecer a língua de sinais.

Ao longo do filme, a própria narrativa sugere várias soluções óbvias e morrem por aí. Algo que achei MUITO estranho é o seguinte:  criaturas que ao longo das gerações perderam a visão por causa da escuridão em que viviam, como elas conseguem viver de boas ao Sol?! Pequenos detalhes desse tipo tornam a história um pouco furada, mas é bem ok.

 

12.02.2020 | Parasita (5.0 / 5.0)

Parasita - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1Que filme I-N-C-R-Í-V-E-L! Não é a toa que ganhou vários prêmios e deu um show no Oscar ao ganhar em várias categorias, incluindo Melhor Filme e Melhor Filme Estrangeiro.

A história vai aos pouquinhos ganhando o público, que ri em diversas cenas iniciais e gradativamente vai aumentando a tensão até se ver com as mãos na cabeça diante de tanta reviravolta surpreendente! Fui sem saber nada sobre o que aconteceria e a experiência se tornou maravilhosa. Muito pertinente a crítica à desigualdade social (uma única pessoa pode sustentar várias famílias ao pagar seus salários ou a disparidade entre moradias e os perrengues que a classe mais pobre precisa enfrentar) e à mesquinharia das pessoas ricas e sua relação quase desumana em relação a seus funcionários.

 

13.02.2020 | GET OUT (3.5 / 5.0)

Corra! - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1A sinopse do filme não entrega muito da história, apenas diz que um rapaz vai conhecer os pais da namorada, mas na realidade as coisas não são muito bem o que ele esperava.

O desenvolvimento da história é interessante, os detalhes são óbvios e entregam um pouco do que acontecerá em breve, mas mesmo assim é surpreendente em certos aspectos.

Os filmes que trazem opções absurdas de melhoramento do homem, em geral, são perturbadores, pois nos mostra que basta um grupo ter tecnologia e dinheiro para se aproveitar de outro que ele o fará. O ser humano por si só é um bicho estranho. rs

 

14.02.2020 | O Irlandês (4.0 / 5.0)

O Irlandês - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1O Irlandês foi indicado em várias categorias para o Oscar, mas não levou nenhum. Os efeitos especiais em relação a idade dos atores foi algo realmente incrível.

Aqui temos a história de um integrante da Máfia, desde o seu ingresso, sua ascensão e  seus últimos dias de vida. As atitudes são muito difíceis, pois não há como se apegar a ninguém nesse tipo de “emprego”. Algo interessante é que mesmo a Máfia tendo a família como o principal patrimônio a se defender, são justamente os integrantes da família que mais sofrem pela ausência desses pais, irmão e afins.

O diretor conseguiu reunir os grandes atores de filme de Máfia, como uma espécie de adeus. Algo bem retratado é que as mulheres mal têm alguma fala e quando falam são coisas vãs ou pouquíssimas palavras, pois a Máfia é coisa de homem e é isso que o filme representa.

 

15.02.2020 | Meu malvado favorito 3 (2.5 / 5.0)

Meu Malvado Favorito 3 - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1 Gru não é mais vilão, agora tem uma vida normal  e trabalha combatendo o crime. Sua vida segue tranquila até o dia em que é demitido por não conseguir prender um vilão inspirado em seu personagem dos anos 80 e receber uma carta informando sobre a existência de um irmão gêmeo que até o momento era desconhecido.

Semelhantes fisicamente, Dru e Gru vão em busca de aventuras para dar continuidade aos negócios da família, mas seus interesses são divergentes.

Esse filme é a prova de que já estão esticando demais a franquia, não é tão bom quanto os outros e a mudança da essência do protagonista foi sentida não apenas pelos Minions, mas pelo público também.

Sex Education ou Life Education?

A imagem e sinopse dispostas na Netflix para Sex Education não chamaram minha atenção, me pareceu uma comédia que falava sobre sexo e ponto. Até que um colega de trabalho me indicou a série e disse que eu ia gostar bastante por causa dos temas que ela aborda, que são típicos de minhas polêmicas diárias na mesa do almoço.

Então, fui lá assistir. Em poucas palavras, a história da série se resume a um rapaz, Otis, que ajuda os adolescentes do colégio a resolver seus problemas sexuais, toda a sabedoria do jovem advém dos anos em que ouviu a mãe exercer sua profissão, terapeuta sexual/ de casais. Para além desse serviço, há triângulo amoroso, rotina escolar e muita reflexão sobre dramas atuais.

Sim, a série com toque de comédia e tom adolescente traz temas bastante polêmicos e reais, como aborto, homofobia, frustração e condição feminina. Para uma série que começou com uma cena de sexo e tem o elenco formado basicamente por adolescentes, os assuntos citados anteriormente contrataram de uma maneira brutal e chegou a me dar um nó na garganta e vontade de abraçar a Netflix.

Vamos por partes.

O episódio que trata sobre a questão do aborto traz uma personagem que está pela segunda vez na clínica para realizar o procedimento e ela já tem três filhos, em um dado momento ela relata que se arrepende mais pelos filhos que teve do que pelos os que ela optou por não ter, já que ser uma péssima mãe é pior do que não ser mãe. É possível supor que essa personagem é uma possível usuária de drogas pelo seu jeito eufórico e pelas unhas sujas, mas essa parte não fica clara, então cabe a interpretação.  Em geral, esse é o argumento utilizado por quem é pró aborto, já que a interrupção da gestação causaria menos problemas do que uma criança sem nenhum amparo.

Logo depois, o episódio que me deixou super mal foi o que o Eric, amigo de Otis, sai de casa vestido de cosplay de uma personagem de determinado filme cult na cultura LGBTQI+, em seu percurso ele é furtado e é agredido por estar transvestido. Nos dias seguintes ele opta por sufocar sua verdadeira personalidade por causa da crueza do mundo em não aceitar sua realidade. Ao chegar em casa humilhado e chorando logo depois do ocorrido, a frase que o pai fala pra ele é dura e verdadeira “se é essa a vida que você quer, você tem que aprender a ser mais forte”. E essa cena me deixou refletindo sobre o quão mais difíceis são os degraus da vida de quem se assume e enfrenta uma realidade ainda muito preconceituosa. Quem se difere um pouco do que foi estabelecido como o “normal” precisa exercitar essa força para lutar e sobreviver diariamente.

As frustrações dos adolescentes estão presentes em todos os episódios e não falo apenas de frustração sexual, como o título da série sugere. O atleta que tem horários e alimentação rigorosos, mas que sofre de ansiedade e vomita todos os dias depois dos treinos; o filho do diretor que se sente deslocado em casa, na escola e não aceita o fim do relacionamento, as constantes decepções e pés na jaca que levaram Adam a ingressar no colégio militar obrigatoriamente; cito novamente Eric, que se absteve de sua própria personalidade por um tempo para viver num mundo ‘comum’ e angustiante. Vários são os exemplos que Sex Education traz para levantar o assunto.

A condição feminina é apresentada também em vários episódios, como o medo de ter fotos íntimas vazadas, o tabu relacionado a roupas (é lindo ver Ola ir ao baile de terno e não de vestido) e a importância da masturbação feminina. Uma cena, em especial, me deixou pensativa: quando Maeve explica porque tem o apelido de ‘morde pau’, isso começou quando ela tinha 14 anos e um colega do colégio pediu pra ficar com ela e a garota recusou, desde então sua reputação vem sendo denegrida por comentários maldosos, aqui levanta-se a questão de como a ‘reputação/ imagem’ das mulheres fica a mercê dos homens, basta um veredito deles para surgir um estigma.

Ufa… Eu poderia levantar vários outros pontos ou comentar cada um dos episódios e haveria assunto para várias conversas, mas deixo aqui pontas em aberto para que você possa assistir, refletir e levantar os temas nas próximas rodas de conversa, assim como passei a usar a série para exemplificar meus temas polêmicos na mesa do almoço do trabalho.

Assisti: Steven Universo

Steven Universo é um desenho norte americano criado pela Rebecca Sugar para a Cartoon Network, lançado em 2013 e com a primeira temporada disponível no Netflix.

Steven é uma criança criada por três Crystal Gems, seres mágicos que se rebRose_Quartz_-_With_Weapon.pngelaram contra seus criadores para proteger a Terra de ameaças vindas de seu planeta de origem. Crescendo entre humanos normais e o mundo das Gems, Steven aprende sobre lutas, sentimentos e relações interpessoais. Passa a conhecer também sobre o mundo mágico e está sempre ávido para ouvir uma boa história sobre a sua mãe, uma Quartzo Rosa (Rose).

Garnet, a Gem durona e inabalável, tem suas pedras mágicas nas mãos, pois seu recurso é a força. Ametista, a brincalhona e divertida, tem sua pedra no meio do peito, pois é sensível às emoções. Perola, com sua pedra na testa é a comedida e lógica, deixa de ser uma Gem serviçal para defender a Terra ao lado de Rose. Steven é o filho da Rose, que deu a sua pedra para que seu filho pudesse herdar seus poderes e justamente por ser meio humano e meio Gem, o trio Gem tem um trabalho redobrado para treinar o garoto já que precisam conhecer seus talentos e limitações.

steven-universo

As três Crystal Gems e o Steven se completam nas missões, pois cada um é bom numa área específica e a relação familiar que há entre eles só se solidifica com o passar do tempo.

Com episódios curtos, certa de 10 ou 15 minutos, Steven Universo é ideal para assistir em pequenos intervalos de tempo livre. Cheio de referências a animes e games, o desenho é um verdadeiro álbum de figurinhas para quem curte a cultura pop/geek. É interessante notar também as referências a episódios passados no cenário, como um porta retrato ou um cartaz colado na parede. O desenho também é cheio de sacadas e piadas que alcançam além do público infantil, é diversão para todas as idades.

Eu assisti: 2° temporada de Daredevil

Essa semana terminei a segunda temporada de Daredevil. Eu nunca fui 100% ligada em
super heróis e raramente acompanhava alguma estória em quadrinhos. Sim, eu sou uma dessas que assiste a esses filmes novos e já vira tiete de alguns personagens, mas o que difere o Daredevil de todos os outros heróis é que com essa série minha vontade de ler os quadrinhos do “homem que não tem medo” só aumenta (olha só a brecha para uma possível meta de leitura, rs).

Pois bem, nessa segunda temporada do Demolidor conhecemos outros personagens dos quadrinhos, como o Justiceiro (Punisher) e a Elektra (par romântico do nosso devil, isso não é spoiler); podemos acompanhar várias tramas com o protagonista, como a luta contra o tentáculo; luta contra o Justiceiro; o julgamento de um caso medonho (do nosso colega Punisher);  e os conflitos pessoais do Matt para manter relações sociais saudáveis.daredevil-season2

A construção do Justiceiro foi uma das coisas que mais me agradou , vê-lo inicialmente como o matador de sangue frio com o seu jargão infantil “uni-du-ni-tê salameminguê” e a sua destreza com as armas de fogo que logo vão sendo mais bem explorados ao longo dos episódios e mostrando que o cerne de sua luta, sua meticulosidade e sua determinação o tornaram uma espécie de anti-herói que mata por boas razões.

Elektra me incomodou bastante logo em que ela apareceu, uma mulher mimada que precisava de tudo na hora e do jeito que ela queria. Boa nas artes marciais e sedenta de sangue, Matt tenta aos poucos mostra-la o seu lado bom. Assim como aconteceu com o personagem do Justiceiro, depois de alguns episódios podemos conhecer melhor sua personalidade e sentir certa empatia.

O Foggy, sócio do Matt na Nelson & Murdock, passa por uma evolução considerável nessa temporada. Tido como um alívio cômico na primeira, agora ele prova, até mesmo para si, suas habilidades como advogado ao defender o Justiceiro no tribunal.

Nessa temporada há alguns links para outros personagens da Marvel, como a Jessica e o Luke, de Jessica Jones, ambos mencionados pela enfermeira Claire.  Os últimos episódios são eletrizantes, quase impossíveis de não assistir seguidamente. As descobertas que os protagonistas fazem um sobre os outros, a ligação de informações que aos poucos vão formando uma trança perfeita.