Minha tatuagem literária

Olá, leitores!

Pois é, fiz uma tatuagem na parte de trás do braço, escolhi uma pilha de livros com uma xícara e café em cima e a frase “felicidade clandestina”, que é o título de um conto da Clarice Lispector.

Significado

A pilha de livros e o cafezinho são itens óbvios: paixão e hobbie.

O principal motivo de eu ter escolhido esse título em detrimento de tantos outros foi a última frase do conto: “Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante”, sem contar que a Felicidade Clandestina me remete muito ao período em que eu lia escondida porque meu pai costumava me dizer que esses livros não me levariam a lugar algum, um período de adrenalina e deleite em palavras que resultou no meu primeiro blog literário (há males que vêm para o bem). ❤

tatuagem literária
Sim, esse caninho de PVC é meu braço. 🙂

 

A tatuadora

Fiz com a Marina Tavares, aqui mesmo em Maranguape, R. Manuel Paula, 227 (altos), e super indico o trabalho dela, além de estilosa, é competente, profissional e muito dedicada. ❤

A dor

Pensei que fazer tatuagem doesse bem mais. Entendo que esse nível de dor oscila a depender do local onde a tatuagem está sendo feita, mas o que eu senti foi como arranhões ou rápidas furadas de agulha, nada que me fizesse achar que meu braço cairia. E outro detalhe, quando começava a doer um pouco mais, ela parava e recomeçava, o que deu certo alívio. A letra mais próxima ao meu cotovelo foi a que eu mais senti, deu até aquele reflexo na perna, me senti o Chaves.

Cuidados

Estou lavando com asseptol diluído em água (coloquei já misturado em um borrifador) três vezes ao dia e usando uma fina camada da pomada Nebacimed. Uso plástico filme quando vou dormir ou andar de ônibus (medo de alguém passar com a mochila e levar parte do meu novo xodó, rs).

Ainda estou em processo de cicatrização, mas estou muito feliz com o resultado. Agora tenho uma tatuagem literária para chamar de minha.  ❤