Como viver com 24 horas por dia | Arnold Bennett | Auster

Estou em uma fase de autodesenvolvimento, tenho pesquisado e lido bastante sobre a relação do homem com o tempo e o trabalho. Em meio a essas minhas andanças livrescas, me deparei com o “Como viver com 24 horas por dia”, achei o título muito pretensioso, mas arrisquei.

Preciso ressaltar que Bennett traz em seu texto a visão de um inglês em meados dos anos 1900, ou seja, não considera nada de atividades domésticas + trabalho + estudo, algo completamente fora da minha realidade. Mesmo diante disso, ainda consegui extrair um valioso ensinamento daqui.

Geralmente vemos as horas que passamos trabalhando como a principal atividade do dia e tudo o que acontece antes ou depois são apêndices do trabalho (você acorda, toma banho, lancha para ir ao trabalho, toma banho, come, descansa, estuda para o trabalho). Arnold propõe que passemos a enxergar as horas fora do trabalho como as principais horas do dia, a labuta foi algo que você precisou ir lá executar para conseguir dinheiro ao final do mês.

Em seguida, o autor traz sugestões de como utilizar melhor esse tempo livre e um conceito que é uma das bases para o livro Minimalismo Digital: gastar o seu tempo com lazeres de qualidade, algo que engrandeça a você mesmo. Aqui pode parecer que ele está falando de ser produtivo até nas horas vagas, mas não é bem assim. Fazendo um paralelo com a sociedade atual, o autor propõe atividades que movimentem o corpo e envolvam aprendizado/ desenvolvimento e não ficar a mercê da passividade (oi, feed das redes sociais).

Basicamente, dedique as 3 horas noturnas ao que alimenta a sua alma, se não gosta de ler, enriqueça-se da maneira que lhe aprouver: jardinagem, marcenaria, pintura, artesanato, instrumento musical, etc. Pense na qualidade dessas atividades e compare com rolar o feed do Instagram.

Bennet traz ainda um esquema para auxiliar na organização dos dias, propõe que o cronograma semanal seja feito com base em 6 dias semanais e que o 7° seja usado para o descanso e o ócio. Ainda é comum nos sentirmos culpados ao descansar, mas esse relaxamento faz parte de ajudar o nosso corpo a processar melhor tudo o que queremos absorver e executar. O descanso faz parte da vida, como dormir ou comer.

No geral, esse livro não foi arrebatador, algo que mudasse completamente a minha forma de ver o mundo, mas esses pontos que aqui listei me fizeram passar algumas semanas refletindo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s