Diário de Leitura | Abril de 2020

Olá, leitores!

O mês de abril de 2020 foi peculiar por causa do Coronavírus e do isolamento social. Em geral, na minha rotina normal, só leio nas viagens de transporte público que faço de casa para o trabalho e do trabalho para casa, então ficar em casa 24h/dia me fez reencaixar a leitura em locais que eu não tinha o costume de ler, rs.

Durante esse período o meu maior desafio ainda é o Home Office, pois sinto que ele toma todo o meu tempo, mesmo que haja um período estabelecido para tal, acho que por eu ter associado a mesa do computador a trabalho, me sinto estranha quando vou fazer outras coisas por aqui, até montei uma mesinha de plástico ao lado para a hora do estudo. Será que essa coisa de ambientação realmente existe ou é só coisa da minha cabeça?

Livros lidos

WhatsApp Image 2020-05-02 at 15.59.16

  1. Harry Potter e o enigma do príncipe, de J.K. Rowling – Na minha saga de releitura de HP mais uma vez chorei na cena da morte de Dumbledore! “O próprio Voldemort criou seu próprio inimigo, como fazem os tiranos em todo o mundo! Você tem ideia do medo que os tiranos sentem do povo que eles oprimem?” p.400
  2. Uma casa no fim do mundo, de Michael Cunningham – Estou atrasada nos livros TAG, no começo eu sempre lia assim que chegava, mas com o tempo perdi essa sincronia. Já tem resenha no blog sobre esse livro.
  3. As mães, de Brit Bennett – A leitura desse livro foi uma grata surpresa, pois fui sem esperar muito e nunca tinha lido nada sobre ele nos blogs da vida. Tem resenha aqui.
  4. Uma irmã, de Bastien Vivés – A única HQ do mês tem um clima de férias familiar muito gostoso, onde o protagonista além de conhecer pessoas novas realiza suas primeiras descobertas sexuais.

 

Livros novos

WhatsApp Image 2020-05-02 at 17.30.20
O Batman está de máscara em virtude da pandemia.
  1. O corcunda de Notre-Dame, de Victor Hugo – Eu quis comprar esse livro desde o incêndio da Catedral de Notre-Dame, mas na época estava meio ruim de grana e agora, exatamente um ano depois, comprei um exemplar nessa edição da Penguin que tanto quero colecionar. Espero ler em breve;
  2. David Copperfield, de Charles Dickens – Dickens é um autor que quero ler mais e vi ótimos comentários no IG na época que o Cristian fez uma leitura compartilhada na internet. Meu exemplar não chegou a tempo para participar da leitura conjunta, mas a vontade de ler não diminuiu;
  3. Querida Kombini, de Sayaka Murata – Vi duas BookTubers comentando esse livro e fiquei super curiosa para lê-lo, quando fui adicionar no GoodReads notei que várias conhecidas já haviam lido também e dado ótimas notas, então não resisti. Conta a história de uma mulher por volta dos seus 30 e poucos anos que ainda trabalha na mesma kombini desde a adolescência, local que é tido por todos como emprego temporário, mas que transmite uma sensação de pertencimento e bem estar para ela;
  4. Ponto Cardeal, de Léonor de Récondo – Livro do mês da TAG que tem a capa mais feia desde que assinei a box, rs! Até o momento a edição mais bonita da minha coleção TAG é a do título Estação Atocha. Ponto cardeal aborda a questão de transexualidade, fiquei curiosa para ler porque acho que ainda não li nada com essa temática;
  5. Eleanor Oliphant está muito bem, de Gail Honeyman – Comprei esse livro junto com o Querida Kombini, aparentemente eles têm temática semelhante de mulheres que estão satisfeitas em levar a vida abaixo dos padrões tidos como satisfatório pela sociedade;
  6. Interferências, de Connie Willis – Quando fui comprar O livro do juízo final, fiquei tentada pela sinopse de Interferências (sci-fi que envolve programação para um relacionamento amoroso perfeito e suas complicações) e como era da mesma autora, resolvi apostar;
  7. O livro do juízo final, de Connie Willis – Compra totalmente influenciada pela resenha da Luciana, do blog Coruja em teto de zinco quente. Nesse livro, Connie conta a história de estudantes de história que podem voltar no tempo para fazer suas pesquisas acadêmicas até que algo dá errado e uma estudante fica presa num recorte temporal bem violento.

Para além dos livros…

trolesa
Meu char no WOW, uma trolesa druida.
  • Comprei tempo de jogo no WOW e voltei a jogar! Pois é, eu sei que deveria estar estudando nesse período mais livre da quarentena e tal, mas ao mesmo tempo sinto que preciso de uma distração a mais para ocupar esses dias;
  • Estou novamente ativa no Pokémon Go por cauda do Ginásio que apareceu aqui! Além disso, os eventos de abril e maio estão muito legais;
  • Voltei a assistir Doramas! Então, eu comecei a assistir aos dramas coreanos por volta de 2005 e quando entrei na faculdade em 2009 dei uma parada, porém com a facilidade que temos hoje de conseguir os episódios me entreguei de novo a esse pequeno vício, rs;
  • Três Doramas que amei: 1. Por agora limpe com paixão (Viki); 2. Primeira vez amor (Netflix) e 3. Love Alarm (Netflix). Esse Love Alarm é meio Black Mirror, fala de um aplicativo que avisa quando tem alguém apaixonado por você no raio de 10 metros, a questão são as complicações imbricadas nessa nova sensação;
  • Depois de sete anos, comprei ovos de páscoa! Escolhi dois, um do Snoopy e um da Tortuguita, os brindes foram copos enfeitados. Perdi a foto que tirei dos ovos com os brindes, mas fica aqui esse registro escrito.

 

Por hora é isso. Me conta aí qual foi a melhor leitura que vocês fizeram em abril? Como está sendo a quarentena por aí?

Imigrantes | Coração azedo e Intérprete de males

Olá, leitores!

Hoje trouxe para vocês a indicação de dois livros de contos sobre a vida de imigrantes. O Coração azedo, da Jenny Zhang, traz a história de chineses que apostaram numa nova vida na América e Intérprete de males, da Jhumpa Lahiri, que aborda a vida de indianos que saíram de seu país de origem pelos mais diversos motivos.

                        Resultado de imagem para intérprete de males   Resultado de imagem para coração azedo

Ambos os livros foram escritos por mulheres, possuem o mesmo formato (antologia de contos) e a mesma temática, mas são bem diferentes! Essa diferença, se dá, principalmente pela perspectiva dos personagens, muito provavelmente por sua origem distinta e tal, e fica bem claro quando, por exemplo, os chineses vivem uma vida miserável nos Estados Unidos, em casas que não possuem o mínimo de higiene, e mesmo assim aguentam tudo aquilo calados e na esperança de que um dia tudo irá melhorar; por outro lado, os indianos, mesmo com uma vida de classe média confortável, ainda sonham com os prazeres da vida na Índia.

Gostei bastante da experiência de leitura, ainda mais que o tom saudosista de Intérprete de males traz vários pontos culturais bem interessantes e o Coração azedo aborda o desenvolvimento de crianças que precisam lidar com um mundo completamente diferente do seu país de origem, a dificuldade da língua estranha… A construção da identidade em outro local torna-se estranha, quase impalpável em todos os casos.

Os dois livros são ótimos para quem gosta de ter contato com diferentes culturas. A questão da dificuldade da imigração, principalmente para mulheres, sejam elas crianças ou adultas é o cerne principal das obras. O choque de costumes é latente e bem verdadeiro, uma vez que as escritoras trouxeram a sua experiência no assunto para as páginas, Jhumpa Lahiri é filha de imigrantes e Jenny Zhang imigrou aos 5 anos de idade.

Gostaria, ainda de deixar outras duas indicações que lembrei durante essas leituras. A primeira delas é o Eu sou Malala, que conta um pouco mais da história e situação política do Paquistão e (um pouco) da Índia, o que é apenas pincelado em um dos contos (‘Quando o sr. Pirzada vinha jantar’) de Intérprete de males. O segundo livro é O grito de guerra da mãe tigre que aborda a cultura chinesa sobre a perspectiva da criação dos filhos e todo o rigor de exigências tão discrepantes com a educação brasileira. Ambos os livros têm resenha aqui no blog, é só clicar no título deles.

Diário de leitura | Resumo de setembro de 2019

Olá, leitores!

Esse mês de setembro foi ótimo no quesito leitura por aqui, não apenas pela quantidade de lidos, mas pela qualidade! Só um livro e uma HQ que não foram lá essas coisas todas, mas enfim, esses pequenos desprazeres faz parte da vida de qualquer leitor, não é mesmo?!

Antes de mostrar os livros lidos e comprados, quero dar alguns recadinhos. O primeiro (e único) deles é que estou de detox de redes sociais, então excluí os app Instagram e Twitter do meu celular. Retomei ao costume de ter um blog pessoal para extravasar o dia a dia ou postar alguma foto legal que fiz, estou me sentindo novamente no começo dos anos 2000 (olá Fotolog.net), hahaha.

Livros lidos

IMG_20190928_102544186

  1. O falecido Mattia Pascal, de Luigi Pirandello – Literatura italiana maravilhosa! Confesso que ri horrores com Pirandello, foi minha primeira experiência com o autor e amei demais! Em breve sairá resenha aqui no blog.
  2. Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis, de Jarid Arraes – Que livro incrível! Ele é essencial para todos, deveria estar inserido na educação básica. Se você é professor(a) e tiver a oportunidade, sugiro apresentar esse livro aos seus alunos, pois aqui tem muita História não contada.
  3. O desvio, de Gerbrand Bakker – Esse livro foi a decepção do mês, é de um autor holandês. Tem resenha aqui.
  4. O quarto de Jacob, de Virgínia Woolf – Esse é o primeiro livro experimental da Virgínia Woolf e aqui entramos em contato com uma narrativa sem muita forma e que se constrói de diferentes perspectivas. Falei sobre aqui.
  5. Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban, de J.K. Rowling – Voltei ao projeto de releitura de Harry Potter agora em setembro porque é o mês do início do período letivo de Hogwarts e tal… A cada releitura, me apaixono mais por esse universo. ❤
  6. Harry Potter e a câmara secreta, de J.K. Rowling
  7. Intérprete de males, de Jhumpa Lahiri – Que livro maravilhoso! Em breve falarei sobre ele aqui no blog, mas posso adiantar que ele traz a história de indianos imigrantes, é realmente muito rico!
  8. Jane, de Brosh McKenna – Essa foi a segunda decepção do mês. Achei a capa dessa HQ linda e vindo da Pipoca e Nanquin, já esperava algo maravilhoso, ainda mais que é uma adaptação de Jane Eyre, mas não passou de um clichê a lá sessão da tarde. Falei sobre aqui.
  9. Boa noite Punpun 4, de Inio Asano – A cada volume mais apaixonada por Inio Asano, já posso dizer que é um dos meus autores de mangá preferidos?!
  10. Boa noite Punpun 5, de Inio Asano
  11. O peso do pássaro morto, de Aline Bei – Que livro sofrido e real. Fiquei super deprê durante todo o dia quando o li, bem pesado.

Compras (porque ninguém anda ganhando nada por aqui)

IMG_20190928_103509173

  1. Fruits Basket, de Natsuki Takaya – Eu li esse mangá há muitos anos, ainda estava no colégio, lembro que achei bem legal na época, mas que não cheguei a ler até o final, então aproveitei que a JBC está relançando e resolvi acompanhar para ver como termina e tal, rs.
  2. Atelier of Witch Hat, de Kamome Shirahama – Bom, é história de bruxa, então sem comentários, claro que comprei.
  3. Boa noite Punpun 6, de Inio Asano – A cada mangá do Punpun fico mais aflita sobre como isso vai terminar, ainda bem que faltam só dois volumes.
  4. Boa noite Punpun 7, de Inio Asano – Último volume do Punpun, eles estavam com 50% no último BookFriday da Amazon, então aproveitei para completar a coleção.
  5. O desvio, de Gerbrand Bakker – Assinei a caixa da Rádio Londres nesse mês! Ganhei uma ecobag e três caderninhos com folha sem pauta e capa dos livros da Rádio. ❤
  6. Intérprete de males, de Jhumpa Lahiri – Livro de setembro da TAG. O brinde foi um cartaz com o desafio de 50 livros para ler o mundo, isso super dá pra fazer um desafio de leitura e tal, rs.
  7. As mães, de Brit Bennett – Gostei da sinopse e estava por menos de 5,00  na Amazon, não contei pipoca, mas sinto que é daqueles livros que preciso ler logo ou perderei o interesse com o passar dos meses.
  8. Um teto todo seu, de Virgínia Woolf – Eu só li esse livro no formato digital e queria muito ter uma edição na estante, aproveitei que esse estava de promoção e comprei, ele ainda veio com uma ecobag da Virgínia Woolf muito fofa, amei.
  9. Demonologistas: arquivos sobrenaturais, de Ed & Lorraine Warren – Quero muito ler todos os volumes desses autores, pois me interesso bastante pelo assunto.
  10. Jane, de Brosh McKenna – Fui pra loja de quadrinhos da minha cidade para comprar o Tina, mas quando vi o Jane ao lado, não resisti.
  11. Tina: Respeito, de Fê Torquato – Fiquei super interessada por essa HQ porque fala sobre assédio no trabalho.

Para além dos livros, em setembro…

  • Assinei o Amazon Prime e já caí de amores pelo Prime Vídeos quando vi que tem Wotakoi (anime do mangá homônimo que estou acompanhando);
  • Assisti a série Marianne na Netflix e amei! Terror de bruxa sinistro.
  • Assistir a segunda temporada de MindHunter e amando ainda mais essa série, talvez por gostar do assunto abordado e tal;
  • Não fui ao cinema nesse mês;
  • Assisti ao segundo e terceiro filme de Harry Potter, conforme terminei os respectivos livros;
  • Só fui pra academia um dia nesse mês por motivo de “cansadita” demais;
  • Planejava fazer vídeos par ao blog, mas a rotina ainda não encaixou. :/

Até mais.

Diário de leitura | Resumo de agosto de 2019

Olá!

Passei uns três meses lendo quase nada, o que me desmotivou um pouco a fazer esse tipo de postagem, mas agora em agosto retomei o meu ritmo, então estou aqui para compartilhar com vocês o que rolou em relação aos livros.

Livros lidos

IMG_20190831_165927_320.jpg

  1. Todos nós adorávamos caubóis, de Carol Bensimon: É um romance road trip ambientado no sul do Brasil, há também a temática LGBT. Achei a leitura bem descontraída e rápida. Já tem resenha para ele aqui no blog.
  2. Autobiografia, de José Luís Peixoto: Confesso que não gostei muito desse livro, a escrita é o seu diferencial, mas a história em si não me agradou, achei parado e previsível demais (o título e a capa são um spoiler medonho).
  3. Coração azedo, de Jenny Zhang: livro de contos que conversam entre si e mostram a realidade de jovens orientais que imigraram com seus familiares para os Estados Unidos. As condições precárias e as dificuldades de relacionamento são os principais tópicos nas histórias.
  4. A morte de Ivan Ilitch, de Lev Tolstói: Essa pequena história é carregada de significado e faz uma crítica a certos aspectos sociais que nunca morreram, farei resenha pra ele em breve. 🙂
  5. A sociedade do cansaço, de Byung-Chul Han: Apesar de muito repetitivo, a construção do pensamento do autor é bem interessante. A crítica em relação a nossa sociedade que se cobra cada vez mais é bem pertinente. Também haverá resenha pra ele logo logo.
  6. O corpo dela e outras farras, de Carmem Maria Machado: Livro que reúne contos de mulheres em diversos ambientes, seja em cenários a lá ficção científica ou sobre a maternidade. Há mistério e vazio em suas histórias, acho que a autora não trabalhou muito bem o ‘final em aberto’ de alguns contos, um dele até pareceu que foi abandonado na metade porque aconteceram tantas coisas para culminar em algo tão ok. Não gostei muito ao final das contas, me decepcionei porque os comentários sobre ele era de algo como “Black Mirror” feminino.

Novos na estante

IMG_20190831_170228767

Para além do livro da TAG, esses foram minhas últimas aquisições. Há meses que eu não comprava nada, então aproveitei uma promoção na Amazon e fiz a festa. Yey…

Contando de baixo para cima, os três primeiros títulos são para estudar pra prova do mestrado. Pretendo tentar mestrado em educação daqui a alguns anos, então comecei a ler algumas obras da bibliografia para me familiarizar com os conteúdos. Sei que a lista pode mudar daqui pra lá, mas acho que a essência é a mesma.

O Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis é de uma conterrânea que descobri há pouco tempo e estou super curiosa para conhecer o seu trabalho. Jarid é cearense e tem vários projetos voltados para a escrita feminina.

O Fique Comigo e o No seu pescoço são livros de autoras Africanas, sendo o primeiro um romance e o segundo, uma coletânea de contos. Já li comentários maravilhosos sobre as duas obras e estou bem animada para lê-los.

O Breve história do feminismo é para o encontro de setembro do Leituras Feministas. Esse tava de promoção na Livraria Cultura perto do meu trabalho, então aproveitei a deixa. Pensando bem, esqueci de colocar o A sociedade do cansaço aqui na foto, rs, comprei junto com o Breve história. 😉

Sobre a Bienal que eu não fui

Desde que me entendo por gente, nunca deixei de ir pra Bienal do Livro do Ceará, mas nesse ano não compareci. Não sei explicar ao certo o motivo, mas acho que nem preciso me justificar. Ao final das contas, estava cansada demais e apesar de as palestras me interessarem, os horários não combinavam com a minha realidade… Os dilemas de morar longe de tudo e cansar só de planejar ir para um evento.

Espero estar mais animada (e com dinheiro) para a próxima.

Diário de leitura | Resumo de abril de 2019

Olá, leitores!

Hoje eu vim mostrar os livros lidos em abril de 2019. No vídeo abaixo anexo mostro tantos os livros lidos como os que chegaram pra mim, uma espécie de Book Haul bônus.

 

WhatsApp Image 2019-04-30 at 22.18.46

  1. Tróia, de Cláudio Moreno  – Foi interessante ler um pouco sobre a Guerra de Tróia e os caprichos dos deuses do olimpo. O final não me agradou muito, mas a narrativa é bem empolgante.
  2. Ela e o seu gato – Esse mangá é bem melancólico e traz a rotina de uma jovem que está morando sozinha e trabalhando a partir da perspectiva de seu gato.
  3. Witches (vol 1) – Protagonistas femininas que se envolvem com magia de alguma forma, seja com o clássico paganismo ou com xamanismo.
  4. Witches (vol 2) – Incrível, realmente um par de mangá que me surpreendeu positivamente.
  5. As alegrias da maternidade, de Buchi Emecheta – Que livro maravilhoso! O título é só uma ironia e ao ler essas páginas, pode se preparar para conhecer a dureza da vida de uma mãe nigeriana que passa pela transição da Nigéria colônia para os novos tempos.
  6. O sonho dos heróis, de Adolfo B. Casares – Esse livro foi estranho. Ainda não fiz a resenha dele nem em texto nem em vídeo, pois ainda estou pensando sobre o que achei dessa leitura. em breve sairá opinião aqui no blog.
  7. Neve, de Orhan Pamuk – Confesso que não gostei desse livro. A história é muito boa e tem um recorte histórico como pano de fundo, mas a narrativa do autor me cansou demais!!
  8. Feminismo para os 99% – Já entrou para a lista dos favoritos. Esse livro é essencial para pensar sobre as questões humanitárias que tanto sofrem nessa onda conservadora atual.

 

Diário de leitura | Lidos em março de 2019

Olá, leitores!

Se em janeiro e fevereiro li pouquíssimos livros, compensei agora em março. Eu nunca havia lido tanto em um único mês, minha marca nunca havia passado de 4 livros ao mês.

Em março implantei duas medidas que pretendo tornar hábitos. Passei a andar com o Kindle na mochila e a ler quadrinhos e mangás. Antes eu deixava o Kindle em casa porque tinha medo de ser roubada, mas perdi um pouco da neura e isso me acrescentou três excelentes leituras que só foram possíveis porque com o Kindle eu consigo ler até mesmo em pé dentro do ônibus, rs.

Vamos ao que interessa…

índice

Os números não estão na ordem de leitura porque não lembro exatamente qual veio antes ou depois. Apenas numerei de maneira aleatória.

  1. O feminismo é para todo mundo, de Bell Hooks. Esse livro foi o título debatido em março no Clube de Leituras Feministas que conheci nesse mês. Gostei bastante dessa obra, ela é bem introdutória no assunto do feminismo, ideal para quem está galgando seus primeiros passos e que não conhece muito a respeito. Ele é curtinho, mas muito rico.
  2. Fome, de Roxane Gay. Livro de março para o Leia Mulheres de Fortaleza. Roxane escreve em Fome sobre sua relação com o próprio corpo após sofrer um abuso sexual coletivo aos 12 anos de idade. Esse livro é um misto de sentimentos, ao mesmo tempo em que ele é pesado e angustiante em diversos aspectos, também nos mostra uma realidade em que nunca paramos para pensar a respeito, que é a de pessoas obesas e suas dificuldades para realizar tarefas rotineiras. Esse livro me acrescentou bastante.
  3. Um teto todo seu, de Virgínia Woolf. Esse livro é o resultado de duas palestras proferidas pela Virgínia sobre a Mulher na Literatura. É interessante que a autora levanta a questão das 500 libras anuais para mostrar que a “falta de criatividade” das mulheres não está relacionada ao gênero, mas a uma questão de oportunidade.
  4. Preacher, de Ennis e Dillon. HQ da Panini e Vertigo que li sob influência de uma série que gosto muito. Confesso que não gostei tanto do quadrinho quanto esperava.
  5. Matéria Escura, de Blake Crouch. Comprei esse livro porque lia ótimos comentários sobre ele, mas a narrativa do autor não funcionou comigo. O protagonista não me cativou, a história muito menos e pra piorar tudo, a escrita de Blake me pareceu tão rasa, com frases tão curtas e mal elaboradas que fui desanimando. A premissa é ótima, porém uma história mal aproveitada.
  6. Não está mais aqui quem falou, de Noemi Jaffe. Esse livro de contos é muito amorzinho. Ele passeia entre histórias reais, reconta mitos, traz ficções e filosofa sobre efemeridades.
  7. Maria Bonita, de Adriana Negreiros. Esse livro foi debatido no Leia Mulheres de fevereiro, ele é um apanhado histórico sobre Lampião, Maria Bonita e o Cangaço em terras nordestinas. Aprendi muito com essa leitura, a Adriana mudou minha visão sobre essas figuras tão populares por aqui. As atrocidades que os cangaceiros realizavam, principalmente para com as mulheres, eram estarrecedoras!
  8. Wotakoi – O amor é difícil para otakus, de Fujita. Mangá que mescla os gêneros Shoujo e Slice of life, os personagens são quatro amigos (dois casais) que trabalham no mesmo escritório e são Otakus. Na cultura Japonesa, ser Otaku é visto com maus olhos, pois essas pessoas têm vícios em games, animes e coisas do tipo. Entre esconder suas paixões pessoais e levar uma vida “normal”, Wotakoi se desenrola com cenas cotidianas e engraçadinhas.
  9. O diário de Anne Frank. Que-livro-maravilhoso! Enquanto lia esse livro, senti vontade de abraçar a Anne Frank, principalmente depois que fui ler sobre o que aconteceu com as pessoas que estavam escondidas com ela. Quanto terror e ternura que esse livro me proporcionou…
  10. Assim falou Zaraustra, de F. Nietzsche. Essa edição é uma adaptação em mangá da obra de Nietzsche, como não li o original, não tenho como fazer comparações, mas a história é maravilhosa e traz uma rica reflexão sobre o relacionamento das pessoas com Deus. O que muitos entendem como heresia, na verdade é um resumo sobre como as pessoas deixaram Deus de lado pensando em seus bens materiais.

Então foi isso. vocês leram bons livros em março?