Malala para leitores de 8 a 12 anos

Malala é uma jovem ativista que ganhou destaque por sua luta pela educação feminina, chegando a ser baleada por sua militância. Todo o empenho dela por sua causa resultou em ser laureada com o Nobel da Paz.

O livro autobiográfico da Malala é forte e inspirador. Com a proposta de levar a história dessa jovem guerreira, a Editora Seguinte trará ao Brasil uma edição com ilustrações e texto adaptado para a faixa etária de 8 a 12 anos.

Achei uma ótima proposta para crianças e pré-adolescentes terem um primeiro contato com diferentes culturas e com o peso da importância da educação para todos.

Publicidade

Eu li: O Menino Mágico

SAMSUNG CAMERA PICTURES
O Menino Mágico, de Rachel de Queiroz

O Menino Mágico, livro infantil da Rachel de Queiroz, foi selecionando pela Unesco, em 1971, como um dos livros para representar o que há de melhor em literatura para crianças e jovens de até 14 anos (livros “excepcionais que serviriam para melhor compreensão entre povos), foram selecionados livros de 57 países, sendo 10 livros de cada um. Como não resisto a uma boa literatura local, não podia deixar de ler mais um da Rachel.

Raquel de Queiroz conta a estória de um menino que tinha seus desejos de “faz de conta” realizados de maneira inesperada, que muitas vezes deixa o leitor em dúvida se as feitorias são mesmo mágicas ou acasos do destino, mas ao final é possível ter certeza se o menino é mesmo mágico ou não (claro que não vou contar, né?).

Como todo livro infantil, Rachel aborda temas pertinentes do cotidiano infantil com aquele tom de aprendizado ao final, as típicas lições sociais de não mentir, confiar na família etc.

Alguns motivos que me levariam a ler O Menino Mágico (ou indicar) para uma criança são: Rachel não empobrece a linguagem escrita para falar para crianças; o livro estimula a imaginação infantil, principalmente por trazer uma fantasia com um toque de verossimilhança (quem nunca brincou de faz de conta e viu nitidamente suas ideias tornando-se quase reais?); e as lições não são escancaradas como nas fábulas, mas trazem vários ensinamentos de maneira sutil ao longo da narrativa.

As ilustrações do livro também trazem a estória para mais perto das crianças, pois não temos aqueles trabalhos gráficos super caprichados, mas personagens desenhados em linhas simplórias, como os desenhos da maioria das crianças.

Então, O Menino Mágico está mais do que indicado para a criançada e se o leitor for cearense, está mais indicado ainda, principalmente pela oportunidade de aprender o significado de algumas palavras locais que já caíram um pouco em desuso, mas que fazem parte da história do estado em que vive.