Homero, uma breve introdução

Antes de falar sobre Ilíada e Odisseia separadamente, sinto a necessidade de contextualizar um pouco essas obras.

A estrutura

A epopeia é uma narrativa em forma de poema que conta a saga de um herói para ajudar a difundir ensinamentos para a sociedade, principalmente de cunho moral. É uma das primeiras formas escritas de contar uma história que, antes disso, eram passadas ao longo das gerações pela oralidade e justamente por isso que são em forma de poema, pois o verso é bem mais fácil de decorar do que a prosa. Ilíada e Odisseia estão inseridas na lista de primeiras obras escritas que se tem notícia e se enquadram como epopeias.

Homero trabalha, mais especificamente, com a métrica chamada de hexâmetro dactílico, que são versos com 6 unidades rítmicas (uma sílaba longa e 2 sílabas curtas). Essa informação é muito importante na hora de escolher a tradução da Epopeia que você quer ler, pois ela pode primar pelo ritmo e melodia ou pelo conteúdo e puxar mais para a prosa e perder o teor poético (geralmente esta segunda é mais fácil de ler).

A questão Homérica

Os núcleos narrativos de Ilíada e Odisseia são, respectivamente, a ira de Aquiles durante 51 dias do 9° ano da guerra de Troia e o retorno de Odisseu após essa guerra. Mesmo que dê a entender que esses dois livros são uma espécie de continuação, muito neles são destoantes.

Homero – Wikipédia, a enciclopédia livre
Representação de Homero feita no período helenístico. Hoje essa peça se encontra no Museu Britânico.

Ilíada se passa no recorte feudal da Grécia e trabalha com a moralidade heroica dos guerreiros, o exemplo mais vívido que posso citar é a ira de Aquiles para vingar a morte de Patroclo. Enquanto a Odisseia está mais ligada ao período fenício, que é claramente percebido pela quase interminável viagem de Odisseu e suas aventuras marítimas, abordando mais questões éticas em ambiente familiar.

A escrita em si também é bem distinta, enquanto em Ilíada a história parece dura e difícil de caminhar, Odisseia é bem mais fluida e envolvente. Essas disparidades já geraram bastante questionamentos sobre a autenticidade da autoria de Homero, pois mais parece que pessoas distintas escreveram essas histórias, chegando a indagações como: teria Homero apenas reunido várias histórias e as compilado ou seria um pseudônimo de vários autores? Homero realmente existiu?

A importância de Homero na Sociedade Grega

As epopeias homéricas eram usadas nas escolas gregas como material didático e os alunos tinham que decorá-las. Os trabalhos de Homero eram mais do que um material escolar, chegando a serem vistos como um código de conduta desde teses filosóficas à sentenças jurídicas. “Cânone estético e religioso, pedagógico e político; uma realidade completa, mas não imediato de uma realidade” (CARPEAUX, 2008, p. 52).

Conclusão

Percebe-se que a importância de Homero transcende a sociedade grega e perdura na contemporaneidade. A estrutura da jornada do herói que teve início aqui, influencia produções culturais ao longo de várias gerações.

Nos próximos posts falarei sobre Ilíada e Odisseia separadamente.

Referências

CARPEAUX, O.M. História da Literatura ocidental. Rio de Janeiro: Leya, 2019. (GoodReads | Amazon)

HOMERO. Ilíada. 25° ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015. (GoodReads | Amazon)

HOMERO. Odisseia. 25° ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015. (GoodReads | Amazon)