Diário de leitura | Resumo de setembro de 2019

Olá, leitores!

Esse mês de setembro foi ótimo no quesito leitura por aqui, não apenas pela quantidade de lidos, mas pela qualidade! Só um livro e uma HQ que não foram lá essas coisas todas, mas enfim, esses pequenos desprazeres faz parte da vida de qualquer leitor, não é mesmo?!

Antes de mostrar os livros lidos e comprados, quero dar alguns recadinhos. O primeiro (e único) deles é que estou de detox de redes sociais, então excluí os app Instagram e Twitter do meu celular. Retomei ao costume de ter um blog pessoal para extravasar o dia a dia ou postar alguma foto legal que fiz, estou me sentindo novamente no começo dos anos 2000 (olá Fotolog.net), hahaha.

Livros lidos

IMG_20190928_102544186

  1. O falecido Mattia Pascal, de Luigi Pirandello – Literatura italiana maravilhosa! Confesso que ri horrores com Pirandello, foi minha primeira experiência com o autor e amei demais! Em breve sairá resenha aqui no blog.
  2. Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis, de Jarid Arraes – Que livro incrível! Ele é essencial para todos, deveria estar inserido na educação básica. Se você é professor(a) e tiver a oportunidade, sugiro apresentar esse livro aos seus alunos, pois aqui tem muita História não contada.
  3. O desvio, de Gerbrand Bakker – Esse livro foi a decepção do mês, é de um autor holandês. Tem resenha aqui.
  4. O quarto de Jacob, de Virgínia Woolf – Esse é o primeiro livro experimental da Virgínia Woolf e aqui entramos em contato com uma narrativa sem muita forma e que se constrói de diferentes perspectivas. Falei sobre aqui.
  5. Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban, de J.K. Rowling – Voltei ao projeto de releitura de Harry Potter agora em setembro porque é o mês do início do período letivo de Hogwarts e tal… A cada releitura, me apaixono mais por esse universo. ❤
  6. Harry Potter e a câmara secreta, de J.K. Rowling
  7. Intérprete de males, de Jhumpa Lahiri – Que livro maravilhoso! Em breve falarei sobre ele aqui no blog, mas posso adiantar que ele traz a história de indianos imigrantes, é realmente muito rico!
  8. Jane, de Brosh McKenna – Essa foi a segunda decepção do mês. Achei a capa dessa HQ linda e vindo da Pipoca e Nanquin, já esperava algo maravilhoso, ainda mais que é uma adaptação de Jane Eyre, mas não passou de um clichê a lá sessão da tarde. Falei sobre aqui.
  9. Boa noite Punpun 4, de Inio Asano – A cada volume mais apaixonada por Inio Asano, já posso dizer que é um dos meus autores de mangá preferidos?!
  10. Boa noite Punpun 5, de Inio Asano
  11. O peso do pássaro morto, de Aline Bei – Que livro sofrido e real. Fiquei super deprê durante todo o dia quando o li, bem pesado.

Compras (porque ninguém anda ganhando nada por aqui)

IMG_20190928_103509173

  1. Fruits Basket, de Natsuki Takaya – Eu li esse mangá há muitos anos, ainda estava no colégio, lembro que achei bem legal na época, mas que não cheguei a ler até o final, então aproveitei que a JBC está relançando e resolvi acompanhar para ver como termina e tal, rs.
  2. Atelier of Witch Hat, de Kamome Shirahama – Bom, é história de bruxa, então sem comentários, claro que comprei.
  3. Boa noite Punpun 6, de Inio Asano – A cada mangá do Punpun fico mais aflita sobre como isso vai terminar, ainda bem que faltam só dois volumes.
  4. Boa noite Punpun 7, de Inio Asano – Último volume do Punpun, eles estavam com 50% no último BookFriday da Amazon, então aproveitei para completar a coleção.
  5. O desvio, de Gerbrand Bakker – Assinei a caixa da Rádio Londres nesse mês! Ganhei uma ecobag e três caderninhos com folha sem pauta e capa dos livros da Rádio. ❤
  6. Intérprete de males, de Jhumpa Lahiri – Livro de setembro da TAG. O brinde foi um cartaz com o desafio de 50 livros para ler o mundo, isso super dá pra fazer um desafio de leitura e tal, rs.
  7. As mães, de Brit Bennett – Gostei da sinopse e estava por menos de 5,00  na Amazon, não contei pipoca, mas sinto que é daqueles livros que preciso ler logo ou perderei o interesse com o passar dos meses.
  8. Um teto todo seu, de Virgínia Woolf – Eu só li esse livro no formato digital e queria muito ter uma edição na estante, aproveitei que esse estava de promoção e comprei, ele ainda veio com uma ecobag da Virgínia Woolf muito fofa, amei.
  9. Demonologistas: arquivos sobrenaturais, de Ed & Lorraine Warren – Quero muito ler todos os volumes desses autores, pois me interesso bastante pelo assunto.
  10. Jane, de Brosh McKenna – Fui pra loja de quadrinhos da minha cidade para comprar o Tina, mas quando vi o Jane ao lado, não resisti.
  11. Tina: Respeito, de Fê Torquato – Fiquei super interessada por essa HQ porque fala sobre assédio no trabalho.

Para além dos livros, em setembro…

  • Assinei o Amazon Prime e já caí de amores pelo Prime Vídeos quando vi que tem Wotakoi (anime do mangá homônimo que estou acompanhando);
  • Assisti a série Marianne na Netflix e amei! Terror de bruxa sinistro.
  • Assistir a segunda temporada de MindHunter e amando ainda mais essa série, talvez por gostar do assunto abordado e tal;
  • Não fui ao cinema nesse mês;
  • Assisti ao segundo e terceiro filme de Harry Potter, conforme terminei os respectivos livros;
  • Só fui pra academia um dia nesse mês por motivo de “cansadita” demais;
  • Planejava fazer vídeos par ao blog, mas a rotina ainda não encaixou. :/

Até mais.

Eu li: Memórias póstumas de Brás Cubas

ASSIS, Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Abril, 2010.

Muito ouvia falar de Machado de Assis, mas não entendia bem como ele conseguia arrancar tantos elogios. Não sei se a inocência das primeiras leituras difíceis me impusessem certo caminhar trôpego aos Clássicos, mas me redimi. Depois da quinta tentativa de ler Memórias Póstumas, finalmente consegui extrair a ironia, o desdenhar e a classe Machadiana.

Brás Cubas é um defunto autor, não um autor defunto, como ele mesmo faz questão de frisar logo nas primeiras páginas, resolveu contar os episódios de sua vida terrena, os desamores e os benefícios de ter nascido numa família abastarda brasileira do século XIX. Desde criança Brás apresenta traços de mesquinharia e egoísmo, não se distancia muito disso durante a vida adulta, Machado de Assis apresenta os primeiros traços da escrita Realista brasileira, fugindo dos padrões românticos de protagonistas e amores perfeitos.

O livro é escrito em pequenos capítulos, alguns tão curtos que não chegam nem até metade da página. Brás faz constantemente referências metalinguísticas e me parece que ele repassou a sua vida numa publicação e aos poucos vai se dando conta de seu jeito mesquinho, como quando ele vai dar uma ajuda financeira a um antigo colega de infância e faz questão de escolher a nota mais surrada para lhe confortar um pouco, ou algo que o valha.

Longe de impor uma obrigação de leitura, como muitas escolas o fazem, aproveito o ensejo para ressaltar que caso você tenha a oportunidade e disposição, dê uma chance à Machado.

Resumo do mês | Agosto de 2017

Olá, leitores!

Hoje vou mostrar o que rolou por aqui durante o mês de agosto.

Finalmente consegui bater a minha meta de leitura, que são quatro livros por mês, já fazia um bom tempo que eu não saía da oscilação entre um e dois livros por mês. Inseri livros pequenos, mas no geral foram ótimas leituras.

Livros lidos

IMG_20170902_140428086.jpg
Lidos de agosto

Então, li um e-book, duas autoras mulheres e um clássico da literatura brasileira.

Novos na estante

Os livros novos eu já mostrei AQUI, mas segue a foto com todos eles.

IMG_20170826_093605288_HDR
Livros novos em agosto

Extra

  • Comprei um Kindle (yey <3), comentei brevemente minhas primeiras impressões AQUI.
  • Tirei uma lição de vida assistindo How I met you mother, como falei AQUI.

Eu li: Contos de amor, de loucura e de morte

Minha edição é da Abril Coleções e tem a capa em tecido
Minha edição é da Abril Coleções e tem a capa em tecido

 Ontem concluí a leitura de “Contos de amor, de loucura e de morte”, do escritor uruguaio Horacio Quiroga (a quem meu cérebro insistentemente só o chama de Quigora, vai entender…), que foi publicado originalmente em 1916.

Quiroga (1879-1937) escreveu em torno de 170 contos e teve sua vida marcada por tragédias, como: a morte do pai e do melhor amigo, o suicídio do padrasto, da esposa, de seus três filhos e a descoberta de um câncer gástrico. A Editora L&PM publicou em seu site um cronograma sobre os marcos da vida do autor.

Como o próprio título sugere, “Contos de amor, de loucura e de morte” reúne 15 contos com essas temáticas que são, para mim, tão próximas. As estórias de Quiroga são marcadas pelo grotesco, com a morte sempre circundando, e pelos finais bruscos que roubam o fôlego do leitor.

O conto A galinha degolada é o texto mais famoso do autor e não é por menos. Ao terminar de lê-lo fiquei alguns minutos contemplando o nada e imaginando o desespero daquela cena final. Simplesmente fantástico! As estórias com protagonistas animais também mexeram comigo, não esqueço mais do pobre Yaguaí. Há, ainda, contos interioranos com a mata em pano de fundo e aquele linguajar mais simples dos matutos.

Quando peguei esse livro para ler, não sabia o que esperar dele, havia notado que seria uma leitura rápida por causa do tamanho dos contos, mas me surpreendi. As viradas de cena e as emoções ali transmitidas são singulares. Com certeza Quiroga ganhou um lugar especial na minha estante.