A soberba e o Instagram

Olá, leitores.

Talvez soe um pouco estranho, principalmente hoje em dia, ter um blog e não usar as páginas das redes sociais para promovê-lo e interagir com o público.

Pois bem, antes que me chamem de antiquada ou algo parecido, preciso ressaltar alguns fatos sobre mim: 1) passei a minha adolescência escrevendo e interagindo em blogs aos finais de semana (internet discada, um beijo) na época do fotolog.net; 2) mesmo não sendo da geração que já nasceu imersa na internet, me sinto um pouco parte dela por ter a rede como meu principal lazer durante muitos anos da minha vida.

Claro que de lá pra cá a internet e a forma de usá-la mudou bastante. Hoje vivemos o boom das redes sociais, o que gerou pessoas tão viciadas nisso que não conseguem passar nem 1 hora sem rolar o feed. Graças a Deus que não me encaixo nesse nível de vício, pois a minha decisão teria sido bem mais difícil.

O que me fez refletir sobre a minha maneira de usar as redes sociais foi um pequeno trecho de um livro que estou estudando, o A vida intelectual, onde o autor fala sobre os malefícios da soberba na vida de estudo.

Basicamente, a soberba é o pecado contrário a virtude da humildade e ela faz com que muitos estudiosos só busquem uma vida de estudos esperando palco e reconhecimento, não o fazem verdadeiramente de todo o coração. Como eu já vinha refletindo bastante sobre o Instagram, acabei por adaptar esse pensamento ao uso das redes sociais.

Pense comigo…

Quando estou postando alguma foto no Instagram é para mostrar para outras pessoas alguma conquista pessoal que tive, algum momento bacana. Muitas pessoas, inclusive, ainda estão na onda do “ostentação” e etc. No caso do meu blog, quando posto as minhas leituras mensais ou os livros novos que chegaram por aqui, estou buscando corações e reconhecimento por meu esforço, não estou fazendo genuinamente, como é o caso do estudioso que quer aplausos, pois esses são os tipos de posts que geram mais engajamento.

Daí o tal do algoritmo sufoca os produtores de conteúdo a TER QUE POSTAR todos os dias, mesmo que a pessoa não tenha produzido algo de profundidade, ela precisa dar bom dia para os seguidores e fazer posts salváveis e mil obrigações a mais com a intenção de aumentar a sua visibilidade.

Acaba que até o processo criativo passa por um momento de stress desnecessário porque precisa gerar resultados pra ontem. O que vem depois? No mínimo, uma leve crise de ansiedade e postagens rasas.

E quando estou consumindo?

Bom, aí é que a coisa fica ainda mais delicada. Não sei se você lembra do começo da internet, em que nós precisávamos entrar nos sites e blogs se quiséssemos ver as novas atualizações daquela página que gostávamos. Já falei algumas vezes o quanto eu sinto falta disso!

Pois bem, agora você não precisa mais, uma vez que tornou-se um ser passivo. Sim, um mero receptáculo do algoritmo.

E tal passividade torna-se ainda mais superficial com os deslizes entediados pelo feed. As postagens já são feitas sob pressão e muito provavelmente um percentual das pessoas que as receberam só deram coração porque a composição da foto ficou legal e um ínfimo número de pessoas lerão o que foi escrito.

E mesmo quando estamos interessados em ler o que está abaixo da foto bonitinha, ainda aparece outro fator: a qualidade daquilo que você está lendo. Aqui não me refiro nem ao post produzido sob ansiedade e pressão, mas ao tipo de conteúdo que você resolveu consumir.

Analisando bem o seu feed hoje, sendo bem sincero, o quanto dele é formativo e edificante e o quanto é meramente informativo, estético e vão?

Ao pensar um pouco sobre essas questões, resolvi me afastar mais uma vez das redes sociais, pois sinto que preciso trabalhar a minha humildade e o meu real poder de escolhas. Quero acessar os sites e blogs do meu interesse na hora que eu quiser, não apenas ficar recebendo passivamente uma maçaroca de imagens que em nada me agregam. Decidi que farei, na página do blog, apenas pequenos posts com o intuito de agregar conhecimento ao próximo, nada de marketing digital para conseguir seguidores e corações de reconhecimento.

Publicidade

Um comentário em “A soberba e o Instagram

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s