Até julho, Angela Davis

Comprei três livros da Angela Davis e comecei o ano super empolgada lendo Mulheres, mulheres-raca-e-classeraça e classe, mas já estamos entrando em abril e eu não cheguei nem na metade dele!

Por incrível que pareça, esse foi o primeiro livro que peguei para ler em 2018 e durante o percurso de um pouco mais de 50 páginas li outros títulos e não consegui dar continuidade na Angela.

Fiquei chateada com esse meu entrave, até porque eu amei o Os homens explicam tudo para mim, que possui uma temática parecida.

O problema em si eu já identifiquei, a leitura é muito rica e não quero desperdiçá-la em leituras rápidas no ônibus que me impossibilita anotações, embora eu não tenha tempo para sentar e lê-lo em casa. O resultado? O coitado do livro viaja diariamente na minha bolsa e eu não desenvolvo a leitura porque sinto a necessidade de marcar inúmeras referências para pesquisar depois e até mesmo de tecer comentários nos post its.

Em virtude disso, com muito pesar encostarei a Angela por um tempinho até o mês das minhas férias da faculdade.