Qual é a da Livraria Cultura?

Se existesse uma revista de fofoca literária, o boom da semana seria a compra do Estante Virtual pela Livraria Cultura!

Para quem não conhece, o Estante Virtual (EV) é um site que reúne sebos de todo Brasil. A plataforma é conhecida por proporcionar aos leitores livros a preços mais acessíveis e títulos difíceis de encontrar em lojas físicas mais próximas.

Pelo menos no meu caso, adoro o EV para comprar livros técnicos baratinhos, enquanto um exemplar custaria R$ 300,00 ou R$ 500,00, consigo comprar por R$ 50,00 ou R$ 120,00, sem brincadeira. O site é confiável, já comprei livro técnico que estava esgotado até na editora por menos de cem reais. Não tenho o costume de adquirir livros de Literatura por lá, pois geralmente as promoções da Amazon são mais atraentes, a não ser que só exista lá mesmo.

Os vendedores de sebos acabam vendendo mais por expandir sua clientela a nível nacional, podendo competir com outras lojas do ramo. Ainda não consigo conjecturar as mudanças que poderão ocorrer no Estante Virtual, mas a Livraria Cultura não dá ponto sem nó.

capa_edicao_116Acabei por lembrar da revista de Setembro de 2017 da Livraria Cultura (edição 116), que foi dedicada aos 70 anos da marca. O herdeiro e CEO Pedro Herz discorre sobre as diversas mudanças ocorridas na Livraria durante as sete décadas e ainda arrisca sobre o que ele espera das livrarias no futuro. Em certos momentos falou sobre o pico de venda dos livros digitais e do atual perfil dos frequentadores das filiais espalhadas em todo país.

Herz chegou a cogitar as Livrarias mais como pontos de encontros para apaixonados por Literatura do que um local para comprar livros (talvez isso seja só uma consequência de tais reuniões culturais). Um pensamento que vai ao encontro da maior vendedora de livros, a Amazon.

Isso porque, de acordo com o CEO, a maior parte da venda de livros e produtos será feita por meio de comércio eletrônico, enquanto às lojas físicas caberá o papel de socializar as experiências. “É para encontrar gente, para sair de casa, o ser humano não perderá essa característica de ter um ambiente assim, de diversão e interação,
no futuro. A loja do futuro será social, pura. E muito menos especializada; você terá muitos produtos, capazes de complementar a experiência da leitura.”

 (REVISTA DA CULTURA – set de 2017, P. 56)

A Amazon chegou ao Brasil há alguns anos e já faz a cabeça dos leitores nas mega promoções e quando se pensa em leitor digital. Não bastando ser um dos líderes no segmento, ainda ampliou sua rede para itens que leitores podem gostar, como utensílios geek para casa ou aparelhos eletrônicos.

A meu ver a Livraria Cultura enveredou pelos caminhos de sucesso da Amazon ao anunciar a ampliação de suas categorias no site, conforme campanha de marketing enviada por e-mail aos assinantes de seu feed.

A parte boa disso tudo é ter mais uma grande marca proporcionando tais produtos diversos para compras acessíveis online, mas sem deixar de lado os tradicionais ‘encontrinhos’ nas lojas físicas. Que a Cultura possa unir os benefícios dos dois mundos, o físico e o digital.

A questão que fica no ar é: “Será que o EV continuará o mesmo?”, o que vocês acham?

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s