Qual é a da Livraria Cultura?

Se existesse uma revista de fofoca literária, o boom da semana seria a compra do Estante Virtual pela Livraria Cultura!

Para quem não conhece, o Estante Virtual (EV) é um site que reúne sebos de todo Brasil. A plataforma é conhecida por proporcionar aos leitores livros a preços mais acessíveis e títulos difíceis de encontrar em lojas físicas mais próximas.

Pelo menos no meu caso, adoro o EV para comprar livros técnicos baratinhos, enquanto um exemplar custaria R$ 300,00 ou R$ 500,00, consigo comprar por R$ 50,00 ou R$ 120,00, sem brincadeira. O site é confiável, já comprei livro técnico que estava esgotado até na editora por menos de cem reais. Não tenho o costume de adquirir livros de Literatura por lá, pois geralmente as promoções da Amazon são mais atraentes, a não ser que só exista lá mesmo.

Os vendedores de sebos acabam vendendo mais por expandir sua clientela a nível nacional, podendo competir com outras lojas do ramo. Ainda não consigo conjecturar as mudanças que poderão ocorrer no Estante Virtual, mas a Livraria Cultura não dá ponto sem nó.

capa_edicao_116Acabei por lembrar da revista de Setembro de 2017 da Livraria Cultura (edição 116), que foi dedicada aos 70 anos da marca. O herdeiro e CEO Pedro Herz discorre sobre as diversas mudanças ocorridas na Livraria durante as sete décadas e ainda arrisca sobre o que ele espera das livrarias no futuro. Em certos momentos falou sobre o pico de venda dos livros digitais e do atual perfil dos frequentadores das filiais espalhadas em todo país.

Herz chegou a cogitar as Livrarias mais como pontos de encontros para apaixonados por Literatura do que um local para comprar livros (talvez isso seja só uma consequência de tais reuniões culturais). Um pensamento que vai ao encontro da maior vendedora de livros, a Amazon.

Isso porque, de acordo com o CEO, a maior parte da venda de livros e produtos será feita por meio de comércio eletrônico, enquanto às lojas físicas caberá o papel de socializar as experiências. “É para encontrar gente, para sair de casa, o ser humano não perderá essa característica de ter um ambiente assim, de diversão e interação,
no futuro. A loja do futuro será social, pura. E muito menos especializada; você terá muitos produtos, capazes de complementar a experiência da leitura.”

 (REVISTA DA CULTURA – set de 2017, P. 56)

A Amazon chegou ao Brasil há alguns anos e já faz a cabeça dos leitores nas mega promoções e quando se pensa em leitor digital. Não bastando ser um dos líderes no segmento, ainda ampliou sua rede para itens que leitores podem gostar, como utensílios geek para casa ou aparelhos eletrônicos.

A meu ver a Livraria Cultura enveredou pelos caminhos de sucesso da Amazon ao anunciar a ampliação de suas categorias no site, conforme campanha de marketing enviada por e-mail aos assinantes de seu feed.

A parte boa disso tudo é ter mais uma grande marca proporcionando tais produtos diversos para compras acessíveis online, mas sem deixar de lado os tradicionais ‘encontrinhos’ nas lojas físicas. Que a Cultura possa unir os benefícios dos dois mundos, o físico e o digital.

A questão que fica no ar é: “Será que o EV continuará o mesmo?”, o que vocês acham?

O que teremos no Clube de Leitura feminista de Fortaleza para 2018

Olá, leitores!

Como falei para vocês no vídeo de metas para 2018, pretendo participar do Clube de Leitura Feminista de Fortaleza no ano que vem, então resolvi trazer a lista dos livros que serão lidos nos próximos meses.

Janeiro: Mulheres, raça e classe – Angela Davis

mulheresn_raca_e_classe_1471272733605204sk1471272733b

Fevereiro: Mulheres, cultura e política – Angela Davis


Março: Reivindicação dos direitos da mulher – Mary Wollstonecraft

reivindicacao_dos_direitos_da__1457710813571098sk1457710813b
Abril: História secreta da mulher maravilha – Jill Lepore

a_historia_secreta_da_mulherm_1494330490678554sk1494330493b
Maio/Junho: Mulheres que correm com os lobos – Clarissa Pinkola

mulheres_que_correm_com_os_lobos_1285980995b

Dos livros propostos para os primeiros encontros, eu já estava planejando ler em breve. Os dois da Angela Davis já comprei na Amazon e estou esperando chegar, o da Jill Lepore ganhei no meu aniversário desse ano (que sorte!) e os outros dois tentarei adquirir em breve. 🙂

Aos poucos trarei mais notícias sobre os encontros, mas posso adiantar que a primeira reunião acontecerá no dia 13 de janeiro, às 18 h, lá na Livraria Cultura do Varanda Mall.

O que está por vir

Para 2018 não farei listas de livros para ler nem desafios meticulosos, pois eu sempre enveredo para outros 30 livros que não sejam os contidos nos projetos e metas literárias. Simplesmente eu não funciono assim e acabo frustrada todo final de ano por não ter conseguido cumprir o que me propus.

Então, você deve estar se perguntando, qual a razão de um post com o título “O que está por vir” ? A resposta é simples, farei aqui resoluções abrangentes do que pretendo fazer no ano que está chegando.

2016 foi um ano de ressaca literária e 2017 me trouxe algumas boas leituras e outras bem mais ou menos, consegui ficar acima dos 30 livros lidos e estou satisfeita com os resultados.

Para 2018 eu quero:

  • Ler todos os dias: eu sei que isso é variável, há dias em que leio 10 páginas, em outros leio 50 ou até mesmo zero. Sem me forçar a grandes feitos, tentarei ler todos os dias, mas não ficarei chateada se não rolar;
  • Participar do Leia Mulheres e do Clube de Leitura Feminista de Fortaleza: sou péssima com metas de leituras, mas também sinto falta de conversar com pessoas (ao vivo) sobre livros;
  • Selecionar melhor minhas leituras: sou bem eclética quanto aos gêneros que leio, há meses que devoro tanto livros complexos e cheios de fluxo de consciência quanto chick lit, mas quero voltar minhas leituras às obras que me acrescerão algo (um ponto de vista, um crescimento, uma empatia, um novo entendimento de mundo);
  • Gravar mais vídeos: entendo que a plataforma do momento é o YouTube e que o público de lá raramente para para ler um ‘textão’ mesmo que ele seja excelente, então vou ampliar os recursos do blog ao criar coragem para falar na frente da câmera;
  • Renovar as estantes: tenho muito livro parado nas minhas estantes que já não me despertam o interesse para a leitura, farei doações mensais de livros à bibliotecas e  à pessoas físicas;
  • Secretariado: quero me dedicar mais aos meus estudos na área de secretariado, pois tenho a impressão de que agora estou construindo uma profissão e indo além do básico emprego.

Leia Mulheres de janeiro e projeto de maratona para o natal

Olá leitores!

Acabei de verificar qual será o livro discutido no mês de janeiro de 2018 no Leia Mulheres de Fortaleza, será o Vulgo Grace, da Margaret Atwood.

Ante de falar mais sobre, gostaria de deixar registrada minha estranheza diante da tradução de Alias Grace para Vulgo Grace. Aqueles cricris sem sentido da vida. 

vulgo_grace_150353893824473sk1503538938b

Então, retomando ao post. A primeira e última reunião que participei do Leia Mulheres foi a do mês de dezembro de 2016, saí de lá empolgada e crente de que voltaria a me encontrar com aquele grupo lindo todos os meses de 2017 e ainda discutiria sobre ótimos livros com pessoas legais. A realidade que se fez foi dura e cruel, não li as indicações e muito menos participei dos eventos que ocorreram ao longo do ano.

Agora minha ideia foi aproveitar que o livro a ser discutido já está no meu Kindle para me incentivar a lê-lo logo com o propósito de ir para o evento. Então, como estamos em período de festas que nos rendeu feriado em duas segundas seguidas (yey), vou usar esse tempinho livre extra para ler o Vulgo Grace.

Tudo está muito lindo e encaixado até aqui, vamos ver se conseguirei cumprir meu projeto proposto em cima da hora. Temo por causa da minha displicência crônica para metas de leitura, eu sempre leio 500 livros que não sejam os listados em metas (coisa de procrastinador ou de gente estranha, fique a vontade na classificação).