Eu li: Flush, da Virgínia Woolf

Sem sombra de dúvidas Flush é o livro mais leve e descontraído da autora inglesa Virgínia Woolf, conhecida por suas histórias contadas em fluxo de consciência.

Virgínia Woolf inspirou-se em cartas escritas por Elizabeth Barrett e Robert Bowning que vira e mexe mencionavam  Flush, o esperto cachorrinho da raça Speniel, para fantasiar e criar essa história, a autora aproveita e descreve trechos das cartas ao longo da narrativa. Fadigada de todo esforço que seu último livro demandou, As Ondas, Virgínia escreve Flush como uma brincadeira descontraída para distrair-se, mal esperava ela que essa sua “brincadeira” faria tanto sucesso.

flush-01
Imagem do Instagram

Flush conta a história do cãozinho da raça Speniel, que renegou todos os prazeres da vida livre, das brincadeiras ao sol, para acompanhar sua dona, a senhoria Barrett, que vivia trancada em seu quarto devida sua saúde. Vez ou outra Flush saía à rua para passear, mas sempre guiado por sua coleira. Apesar de ser apenas um cãozinho, Flush conseguia diferenciar o enorme abismo existente entre as pessoas e os cães daquela sociedade, ele, por exemplo, um cão aristocrata que tinha direito a uma tigela vermelha e a uma guia na hora de passear, ao contrário de tantos vira latas que comiam o que encontravam na sarjeta e não tinham um dono para proporcioná-lhes regalias.

[…] Reparou com ar de aprovação no pote vermelho em que bebia sua água – marca dos privilégios de sua posição -; abaixou sua cabeça lentamente para permitir que a guia fosse presa à coleira – marca do preço que se tem que pagar por isso. Nessa ocasião, quando a Senhoria Barrett o viu olhando-se no espelho, estava errada. Ela pensou que ele parecia um filósofo meditando a respeito da diferença entre aparência e realidade. Ao contrário, ele era um aristocrata observando seus atributos. P. 37

Virgínia aproveita a inocente visão do cachorro Flush para alfinetar esses conflitos sociais, principalmente quando ela descreve o submundo existente ao lado dos quartos confortáveis  elegantes de Londres. Essa história traz à tona, também, as diferenças culturais entre países, a valoração exagera de certos atributos que são insignificantes em outros locais.

Com uma escrita leve, as 141 páginas desse livro proporcionam uma leitura rápida e bonita. Ressalto que há momentos em que Flush traz passagens melancólicas, um verdadeiro sofrimento para quem gosta muito de cães, a exemplo as passagens em que Flush é reprimido por suas atitudes mesquinhas e ele tenta entender porque está sendo “rejeitado”, ou quando ele passa maus bocados nas ruas perversas de Londres.

Fiquei aflita em alguns momentos desse livro, preocupada e com pena do cachorrinho, mas em tantas outras me senti recompensada com as comparações sociais e culturais que Virgínia aborda, ou seja, Flush é um livro descontraído, emocionante e rico.

Siga o blog nas redes sociais:

Anúncios

Assisti: Steven Universo

Steven Universo é um desenho norte americano criado pela Rebecca Sugar para a Cartoon Network, lançado em 2013 e com a primeira temporada disponível no Netflix.

Steven é uma criança criada por três Crystal Gems, seres mágicos que se rebRose_Quartz_-_With_Weapon.pngelaram contra seus criadores para proteger a Terra de ameaças vindas de seu planeta de origem. Crescendo entre humanos normais e o mundo das Gems, Steven aprende sobre lutas, sentimentos e relações interpessoais. Passa a conhecer também sobre o mundo mágico e está sempre ávido para ouvir uma boa história sobre a sua mãe, uma Quartzo Rosa (Rose).

Garnet, a Gem durona e inabalável, tem suas pedras mágicas nas mãos, pois seu recurso é a força. Ametista, a brincalhona e divertida, tem sua pedra no meio do peito, pois é sensível às emoções. Perola, com sua pedra na testa é a comedida e lógica, deixa de ser uma Gem serviçal para defender a Terra ao lado de Rose. Steven é o filho da Rose, que deu a sua pedra para que seu filho pudesse herdar seus poderes e justamente por ser meio humano e meio Gem, o trio Gem tem um trabalho redobrado para treinar o garoto já que precisam conhecer seus talentos e limitações.

steven-universo

As três Crystal Gems e o Steven se completam nas missões, pois cada um é bom numa área específica e a relação familiar que há entre eles só se solidifica com o passar do tempo.

Com episódios curtos, certa de 10 ou 15 minutos, Steven Universo é ideal para assistir em pequenos intervalos de tempo livre. Cheio de referências a animes e games, o desenho é um verdadeiro álbum de figurinhas para quem curte a cultura pop/geek. É interessante notar também as referências a episódios passados no cenário, como um porta retrato ou um cartaz colado na parede. O desenho também é cheio de sacadas e piadas que alcançam além do público infantil, é diversão para todas as idades.

Raduan Nassar recebe prêmio Camões de Literatura e critica governo

Raduan Nassar é um escritor brasileiro nascido em 1935 que consagrou-se na Literatura com suas obras Lavoura Arcaica e Um Copo de Cólera. Mesmo tendo publicado apenas três livros, Raduan sempre é mencionado ao lado do nome de outros grandes autores brasileiros.

O autor foi votado para receber o prêmio Camões de Literatura, que é instituído pelos governos do Brasil e de Portugal, o juri alegou que o autor merece o prêmio pela “extraordinária qualidade da sua linguagem e da força poética da sua prosa”. Nessa sexta, 17 de fevereiro, Raduan Nassar participou da cerimônia para receber suas merecidas condecorações. Em seu discurso, Raduan aproveitou para criticar o atual governo do presidente Temer, disse que o considera ilegítimo, e alfinetou também a indicação de Alexandre de Moraes ao Superior Tribunal Federal (STF).

O ministro da cultura do Brasil, Roberto Freire, que estava na ocasião para entregar o prêmio, foi vaiado pelos presentes e respondeu às criticas de Raduan “é fácil fazer manifestação num país democrático como este”.

Bingo literário – 05 fev 2017

Olá, leitores!

O primeiro mês de 2017 já passou e eu vim aqui atualizar o Bingo Literário. Consegui ler quatro livros para esse desafio, então vamos lá.

5-2-17

Autor nacional: Mulher perdigueira, do Carpinejar

Poesia: Baladas, da Hilda Hilst

Um livro que todo mundo leu menos você: A amiga genial, da Elena Ferrante

Policial: O cirurgião, da Tess Geritssen

Resumo de janeiro | 2017

Olá, leitores!

Hoje vou mostrar para vocês as leituras do mês de janeiro e os livros que comprei durante o mês. Então vamos lá.

Lidos do mês

Li um total de seis livros, sendo três livros físicos e três livros digitais.

Os livros físicos foram:

  1. O Cirurgião – Tess Geritssen
  2. A amiga genial – Elena Ferrante
  3. Mulher perdigueira – Carpinejar

editado 07.JPG

Os livros digitais foram:

  1. Faça boa arte – Neil Gaiman
  2. Baladas – Hilda Hilst
  3. Quem mexeu no meu queijo – Spencer Johnson

Li o Baladas da Hilda para o Bingo Literário, mas confesso que não sou muito chegada a poesia, gosto de Mário Quintana e poemas mais simples, talvez pela falta de hábito de me debruçar sobre esse tipo de texto. :/

Comprinhas

Comprei um total de cinco livros, que foram:

  1. Clarice, – Moser
  2. História do novo sobrenome – Elena Ferrante
  3. História de quem foge e de quem fica – Elena Ferrante
  4. Arádia – Charles Leland
  5. Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres – Clarice Lispector

(Clique nas fotos para ampliá-las)

Então, ao final do mês li mais do que eu esperava, conseguir concluir 4 livros para o bingo literário (vou fazer post para atualizar o desafio). Consegui comprar o livros que já foram traduzidos e publicados no Brasil da tetralogia Napolitana, também comprei mais dois livros para o Lendo Clarice. ❤